Skip to content

Afonso II - O Gordo

26/03/1211

Afonso II (Coimbra, 23 de abril de 1185 – Coimbra, 25 de março de 1223), apelidado de Afonso, o Gordo, foi o Rei de Portugal de 1211 até à sua morte. Era filho do rei Sancho I e da sua esposa Dulce de Aragão.

Afonso II

Reinado

Os primeiros anos do seu reinado foram marcados por violentos conflitos internos (1211-1216) entre Afonso II e as suas irmãs Mafalda, Teresa e Santa Sancha de Portugal (a quem seu pai legara em testamento, sob o título de rainhas, a posse de alguns castelos no centro do país - Montemor-o-Velho, Seia e Alenquer -, com as respectivas vilas, termos, alcaidarias e rendimentos), numa tentativa de centralizar o poder régio. Este conflito foi resolvido com intervenção do papa Inocêncio III. O rei indemnizou as infantas com muito dinheiro e a guarnição dos castelos foi confiada a cavaleiros templários. Era o rei que exercia as funções soberanas sobre as terras e não as infantas.

No seu reinado foram criadas as primeiras leis escritas e pela primeira vez reunidas cortes com representantes do clero e da nobreza, em 1211 na cidade de Coimbra, na altura a capital de Portugal. Foram realizadas inquirições em 1220, inquéritos feitos por funcionários régios com vista a determinar a situação jurídica das propriedades em que se baseavam os privilégios e imunidades dos proprietários. As confirmações validavam as doações e privilégios concedidos nos anteriores reinados, após analisados os documentos comprovativos ou por mercê real. Todo o seu reinado foi um combate constante contra as classes privilegiadas, isto porque o seu pai e avô deram grandes privilégios ao clero e à nobreza e Afonso II entendia que o poder real devia ser fortalecido.

O reinado de Afonso II caracterizou um novo estilo de governação, contrário à tendência belicista dos seus antecessores. Afonso II não contestou as fronteiras com Galiza e Leão, nem procurou a expansão para Sul (não obstante de no seu reinado as cidades de Alcácer do Sal, Borba, Vila Viçosa, Veiros, em 1217, e, possivelmente também Monforte e Moura,foram tomadas aos mouros por iniciativa de um grupo de nobres liderados pelo bispo de Lisboa), preferindo sim consolidar a estrutura económica e social do país. O primeiro conjunto de leis portuguesas é da sua autoria e visavam principalmente temas como a propriedade privada, direito civil e cunhagem de moeda. Foram ainda enviadas embaixadas a diversos países europeus, com o objectivo de estabelecer tratados comerciais. Apesar de, como já dissemos, não ter tido preocupações militares, foram enviadas tropas portuguesas que, ao lado das castelhanas, aragonesas e francesas, combateram de forma estóica na célebre batalha de Navas de Tolosa, em defesa da Península Ibérica contra os muçulmanos.

Outras reformas de Afonso II prendem-se com a relação da coroa Portuguesa com o Papa. Com vista à obtenção do reconhecimento da independência de Portugal, Afonso Henriques, seu avô, foi obrigado a legislar vários privilégios para a Igreja. Anos depois, estas medidas começaram a ser um peso para Portugal, que via a Igreja desenvolver-se como um estado dentro do estado. Com a existência de Portugal firmemente estabelecida, Afonso II procurou minar o poder clerical dentro do país e aplicar parte das receitas das igrejas em propósitos de utilidade nacional. Esta atitude deu origem a um conflito diplomático entre o Papado e Portugal. Depois de ter sido excomungado pelo Papa Honório III, Afonso II prometeu rectificar os seus erros contra a Igreja, mas morreu em 1223 excomungado, sem fazer nenhum esforço sério para mudar a sua política.

Só após a resolução do conflito com a Igreja, logo nos primeiros meses de reinado do seu sucessor Sancho II, pode finalmente Afonso II descansar em paz no Mosteiro de Alcobaça (foi o primeiro monarca a fazer da abadia cisterciense o panteão real).

Diz-se que D. Afonso II possa ter morrido de lepra (isso poderá ter justificado um dos seus cognomes, o Gafo, bem como uma célebre e depreciativa frase dita por alguns elementos do povo: Fora Gaffo!), mas a enorme gordura que o rei possuía teria sido a sua causa de morte.

Títulos, estilos, e honrarias

Títulos e estilos

23 de Abril de 1185 – 26 de Março de 1211: O Infante Afonso de Portugal

26 de Março de 1211 – 25 de Março de 1223: Sua Mercê, El-Rei de Portugal

O estilo oficial de D. Afonso II enquanto Rei de Portugal:

Pela Graça de Deus, Afonso II, Rei de Portugal

Genealogia

Descendência

Com a sua mulher, Urraca de Castela (1186-1220):

Sancho II de Portugal (1209-1248)

Afonso III de Portugal (1212/17-1279)

Leonor, infanta de Portugal (1211-1231), casou com Valdemar III, o Jovem, filho do rei Valdemar II da Dinamarca

Fernando de Portugal, Senhor de Serpa (1218-1246), senhor de Serpa

Filhos naturais:


João Afonso (m. 9 de Outubro de 1234), enterrado no mosteiro de Alcobaça

Pedro Afonso (n. 1210), que acompanhou o seu irmão na conquista de Faro (1249)

Brasão de armas do Reino de Portugal (1139-1248)
Reis de Portugal, 03, Dom Afonso II, "O Gordo"

0 comments

Comment

No comments avaliable.

Author

Info

Published in 23/01/2019

Updated in 19/02/2021

All events in the topic Dinastias Portuguesas:


12/05/1112Afonso I - O ConquistadorAfonso I - O Conquistador
06/12/1185Sancho I - O PovoadorSancho I - O Povoador
26/03/1211Afonso II - O GordoAfonso II - O Gordo
26/03/1223Sancho II - O CapeloSancho II - O Capelo
04/01/1248Afonso III - O BolonhêsAfonso III - O Bolonhês
16/02/1279Dinis I - O LavradorDinis I - O Lavrador
07/01/1325Afonso IV - O BravoAfonso IV - O Bravo
28/05/1357Pedro I - O JusticeiroPedro I - O Justiceiro
18/01/1367Fernando I - O FormosoFernando I - O Formoso
14/08/1433Duarte I - O EloquenteDuarte I - O Eloquente
13/09/1438Afonso V - O AfricanoAfonso V - O Africano
11/11/1477João II - O Príncipe PerfeitoJoão II - O Príncipe Perfeito
25/10/1495Manuel I - O VenturosoManuel I - O Venturoso
13/12/1521João III - O PiedosoJoão III - O Piedoso
11/06/1557Regente - Catarina de ÁustriaRegente - Catarina de Áustria
12/06/1557Sebastião I - O DesejadoSebastião I - O Desejado
04/08/1578Henrique I - O CastoHenrique I - O Casto
17/05/1581Filipe I - O PrudenteFilipe I - O Prudente
13/09/1598Filipe II - O PioFilipe II - O Pio
31/03/1621Filipe III - O GrandeFilipe III - O Grande
01/12/1640João IV - O RestauradorJoão IV - O Restaurador
01/12/1640Regente - Luísa de GusmãoRegente - Luísa de Gusmão
06/11/1656Afonso VI - O VitoriosoAfonso VI - O Vitorioso
12/09/1683Pedro II - O PacíficoPedro II - O Pacífico
09/12/1706João V - O MagnânimoJoão V - O Magnânimo
31/07/1750José I - O ReformadorJosé I - O Reformador
24/02/1777Maria I - A PiedosaMaria I - A Piedosa
25/02/1777Pedro III - O EdificadorPedro III - O Edificador
20/03/1816João VI - O ClementeJoão VI - O Clemente
12/10/1822Pedro IV - O Rei SoldadoPedro IV - O Rei Soldado
02/05/1826Regente - Isabel Maria de BragançaRegente - Isabel Maria de Bragança
11/07/1828Miguel I - O AbsolutistaMiguel I - O Absolutista
26/05/1834Maria II - A EducadoraMaria II - A Educadora
09/04/1836Fernando II - O Rei ArtistaFernando II - O Rei Artista
15/11/1853Pedro V - O EsperançosoPedro V - O Esperançoso
11/11/1861Luís I - O PopularLuís I - O Popular
19/10/1889Carlos I - O DiplomataCarlos I - O Diplomata
01/02/1908Manuel II - O PatriotaManuel II - O Patriota
1096Dinastia de BorgonhaDinastia de Borgonha
1383Dinastia de AvisDinastia de Avis
1580Dinastia FilipinaDinastia Filipina
1640Dinastia de BragançaDinastia de Bragança
05/10/1910Implantação da RepúblicaImplantação da República