Restauro de obras do acervo

01/201912/2019

Devido às suas proporções, algumas obras foram mantidas no edifício e protegidas. É o caso das obras A Conversão do Apóstolo Paulo a Caminho de Damasco e A partida da Monção , das esculturas de mármore de Fernão Dias Paes e Raposo Tavares, obrigatório no saguão do edifício e as sete estátuas de bronze de bandeirantes distribuídas ao longo da escadaria monumental.

Audiodescrição: Pintura A Conversão de São Paulo a Caminho de Damasco, de José Ferraz de Almeida Júnior. Há um homem branco, de cabelos escuros, encaracolados, bigode e barba cheia. Ele usa uma camisa branca, larga, com as mangas curtas e, por cima, uma veste em tons de marrom, que é reduzido e se assemelha a uma armadura. Ele está em pé, de frente, com o rosto virado levemente para a esquerda e para cima; e a mão direita e o pé direito levemente erguidos. Atrás dele há um cavalo preto que está com as patas dianteiras erguidas. Uma capa marrom cobre as costas do cavalo e o ombro direito do homem. Ao redor há vários homens barbudos, alguns caídos no chão. Fim da audiodescrição.     
José Ferraz de Almeida Júnior, A Conversão de São Paulo a Caminho de Damasco, óleo sobre tela, 460 x 328 cm, 1888-1890, Acervo do Museu Paulista da USP. Domínio público.  

O quadro Independência ou morte (1888), de Pedro Américo, também ficou no edifício e foi restaurado entre janeiro e outubro de 2019, antes do início das obras.

Uma equipe especializada coordenada por Yara Petrella, especialista em conservação e restauro do Museu Paulista, ficou encarregada de reparar os danos causados pela ação do tempo na obra. 

Para recompor pontos de perda de cor e amarelecimentos nas camadas da pintura, além de retirar vestígios de antigos restauros, os técnicos foram acompanhados por pesquisadores do Instituto de Física e do Instituto de Química da Universidade de São Paulo (USP). 

O trabalho foi apoiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), por meio do projeto temático “Coletar, identificar, processar, difundir: o ciclo curatorial e a produção do conhecimento” e “Espectroscopia vibracional com resolução espacial”.

Os restauradores utilizaram técnicas específicas e equipamentos que mostraram os materiais utilizados durante o processo criativo de Pedro Américo. 

Para expor traços iniciais feitos a grafite ou carvão pelo pintor, foram empregados alguns recursos tecnológicos como a reflectografia de infravermelho, a espectroscopia por fluorescência de raios X e a espectroscopia Raman, determinantes para que o quadro fosse reconstruído por completo. 

As técnicas utilizadas são consideradas não-destrutivas: a Raman, por exemplo, permite a coleta de fragmentos microscópicos do quadro, que são preservados para análises futuras.

A técnica de espectroscopia por fluorescência de raios X, como explica uma matéria da Fapesp a respeito do assunto: “é feita por meio de um arranjo experimental composto por um tubo e um detector de raios X. Nesse arranjo, a radiação é emitida sobre a pintura e as áreas irradiadas respondem emitindo também raios X, em diferentes patamares de energia [comprimentos de onda], que são coletados pelo detector. Os raios reemitidos dependem dos elementos químicos presentes em cada área: chumbo, ferro, cádmio etc. Dessa forma, é possível inferir os elementos químicos presentes na composição das tintas originais e nas de restauros anteriores” (DINARTE, 2020).

Segundo os especialistas, os recursos utilizados na restauração também permitiram o reconhecimento de intervenções anteriores na tela. Um tom amarelado indevido em uma certa região do céu foi um dos exemplos identificados pela tecnologia. 

Os artifícios ainda permitiram encontrar imagens ocultas ou "figuras de arrependimento", como no caso de traços alusivos a um cavalo, encontrados com o uso do infravermelho.

Terminado o trabalho de restauro, o quadro será recoberto com verniz de alta qualidade, próprio para resistir a muitos anos sem amarelecer.

Audiodescrição: Foto da obra Independência ou Morte.À frente dela há um imenso andaime de três andares. Algumas pessoas estão nos três andaimes, virados de costas, tocando na obra.Fim da audiodescrição.     
Vista do andaime de proteção da obra Independência ou Morte. Créditos da Imagem: José Rosael / Museu Paulista.  

Vídeos:

FAPESP - Ciência e arte se aliam na restauração do quadro "Independência ou Morte", 17 de fevereiro de 2020.

Referências:

Ciência e arte se aliam na restauração do quadro Independência ou Morte, Revista FAPESP. Disponível em: Link

Link interno:

Contratação do pintor Pedro Américo

0 comments

Comment
No comments avaliable.

Author

Info

Published in 8/09/2021

Updated in 29/11/2021

All events in the topic ACERVO EM TRANSFORMAÇÃO:


1989Saída de acervos para o MAESaída de acervos para o MAE
1990Plano Diretor
1991Arquivo Permanente do Museu Paulista
1996Primeira doação patrocinada do MuseuPrimeira doação patrocinada do Museu
2019Plano Museológico
2000Exposição Trilhos e SonhosExposição Trilhos e Sonhos
2002Criação da Reserva Técnica DidáticaCriação da Reserva Técnica Didática
23/01/200528/10/2007Exposição Imagens Recriam a História Exposição Imagens Recriam a História
2012Exposição Morar Paulistano
01/09/20132015Busca por outros espaços para acervos e equipes
2017Novas reservas técnicasNovas reservas técnicas
06/201808/2019Conclusão da transferência do acervoConclusão da transferência do acervo
01/201912/2019Restauro de obras do acervoRestauro de obras do acervo
2020Diagnóstico dos acervos selecionados
02/2019Convênio com a Fundação Banco do BrasilConvênio com a Fundação Banco do Brasil
2020O museu na cultura digital
05/2020Escutas com grupos sociaisEscutas com grupos sociais
11/2020Projeto expográficoProjeto expográfico
12/2020Serviços de gestão de equipes
06/11/2020Convênio com BNDES
11/2021Conclusão
2022Contagem regressiva
2020Diagnóstico dos acervos selecionados