Reformas parciais e restauro da sanca

199001/1995

Em 1993, foram encontrados diversos fragmentos que caíram do alto do teto da escadaria na entrada principal. No ano seguinte, às vésperas do 7 de Setembro, também caíram alguns fragmentos de argamassa da sanca sobre a escadaria, em razão de problemas de infiltrações de águas de chuva. 

Medidas emergenciais foram tomadas para a proteção dos visitantes, mas a cada dia as obras se mostravam mais do que necessárias. 

Além disso, o telhado de cobre e a rede elétrica precisavam ser totalmente substituídos; os sistemas de telefonia e computação deveriam ser atualizados; a claraboia da Torre Central precisava de conserto e troca dos vidros; as Torres Laterais necessitavam uma reforma total; entre outras medidas pontuais.

Finalmente em 1995 começou o processo de obras de recuperação do edifício. Os visitantes passaram a conviver com andaimes, escadas, latas de tinta, funcionários e operários de empresas de restauração, já que se optou por manter o museu aberto ao público. 

A reforma começou pelo teto, onde foram instaladas coberturas em chapas de cobre. Ao todo foram vinte meses de trabalho.

O processo de restauração da sanca, como é chamada a faixa de parede curva localizada na região superior das paredes da Escadaria do Museu, também foi intenso. O local é suporte para 18 retratos, feitos em óleo sobre tela e colados sobre ela, técnica conhecida por marouflage

Os brasões e seus retratos referem-se aos personagens tidos pelo ex-diretor Affonso Taunay como fundamentais para o processo de Independência. Ele os encomendou aos artistas Oscar Pereira da Silva e Domenico Failutti, que os finalizaram por volta de 1935.

O fato de o edifício possuir grandes vãos de abertura fez com que houvesse uma grande circulação de ar, o que gerou acúmulo de poeira e fuligem nas áreas da sanca, claraboia e paredes. 

A infiltração de umidade e variação de temperatura foram outros fatores que ajudaram a degradar parte da estrutura, que também sofreu rachaduras e perda de coloração. Assim, o trabalho nesse local foi iniciado pela limpeza, acompanhada de todos os cuidados necessários exigidos pelas características de cada parte componente. 

Em um segundo momento, foram identificados os materiais que constituíam os objetos e foi realizada a avaliação do processo de deterioração por meio de análises científicas. 

Então, o tratamento com materiais compatíveis com a natureza química de cada pintura foi realizado aos poucos, até que fosse finalizada a restauração da estrutura. 

 Audiodescrição: Foto do restauro das sancas, que são peças em gesso que dão acabamento entre o teto e a parede.Há três pessoas em uma área com andaimes, caixas, cestos, fios, luminárias e outros objetos espalhados. Há algumas pinturas na parede.Fim da Audiodescrição.     
Vista do trabalho de restauro das sancas. Crédito da imagem: José Rosael / Museu Paulista. 
Audiodescrição: Foto do restauro das sancas, que são peças em gesso que dão acabamento entre o teto e a parede.Há duas pessoas, vistas do peito para cima, de costas, em uma área com andaimes, fios, luminárias e outros objetos espalhados. Há algumas pinturas e enfeites nas paredes.Fim da Audiodescrição.     
Vista do trabalho de restauro das sancas. Crédito da imagem: José Rosael / Museu Paulista. 
Audiodescrição: Foto de uma pessoa sobre um telhado.Sobre um telhado feito de chapas de cobre, um homem está agachado, segurando um equipamento conectado por um fino cano a um pequeno botijão.Ao fundo se veem paredes amarelas com finas colunas.Fim da Audiodescrição.     
Instalação das coberturas em chapas de cobre no teto. Crédito da imagem: José Rosael / Museu Paulista. 
Audiodescrição: Foto de pessoas na claraboia da Torre Central do museu.Há dois homens, um embaixo e um em cima de uma claraboia, que é uma abertura envidraçada situada no teto. Eles manuseiam vidros, colocando-os em suportes retangulares e triangulares.Fim da Audiodescrição.     
Troca de vidros na claraboia da Torre Central. A estrutura foi instalada no final do século 19 para a entrada de luz natural sobre as escadarias e o saguão. Crédito da imagem: José Rosael / Museu Paulista. 

PDF: Ver artigo A Conservação e Restauração das pinturas da sanca, Yara L. Moreira Petrella, pp.116-141. In: Museu Paulista: um monumento no Ipiranga : história de um edifício centenário e de sua recuperação, São Paulo: Editora FIESP, CIESP, 1997. Disponível em: 

0 comments

Comment
No comments avaliable.

All events in the topic HISTÓRIA DO EDIFÍCIO:


07/09/1822Independência do BrasilIndependência do Brasil
07/09/1823Monumento comemorativo da Independência Monumento comemorativo da Independência
18691875Retomada do projeto Retomada do projeto
1882Contratação de Tommaso G. Bezzi Contratação de Tommaso G. Bezzi
1888Contratação do pintor Pedro AméricoContratação do pintor Pedro Américo
1895Abertura do Museu PaulistaAbertura do Museu Paulista
19071909Construção do primeiro jardimConstrução do primeiro jardim
07/09/1922Centenário da Independência do Brasil Centenário da Independência do Brasil
1922Construção do segundo jardim
1950Abertura do porão
1955Restauro da Casa do GritoRestauro da Casa do Grito
1975Tombamento pelo CONDEPHAAT
199001/1995Reformas parciais e restauro da sanca Reformas parciais e restauro da sanca
06/12/199028/04/1991Exposição "Às margens do Ipiranga: 1890-1990"Exposição "Às margens do Ipiranga: 1890-1990"
1998Tombamento pelo IPHAN
06/200519/12/2012Antecedentes do fechamento do Museu
18851890Construção do Edifício-monumentoConstrução do Edifício-monumento