Começa o cerco de Lisboa

01/05/1384View on timeline

Cerco de Lisboa (1384)

O terceiro cerco de Lisboa foi imposto pelas forças de Castela em 1384 e durou 4 meses e 26 dias.

D. Fernando I morreu a 22 de outubro de 1383 deixando Portugal numa situação débil visto que só tinha uma filha: D. Beatriz, que estava casada com o rei de Castela (crise dinástica de 1383-1385). Diante da revolta popular devido ao receio da perda da independência, foi aclamado o Mestre de Avis como Regedor e Defensor do Reino.

É descrito por Fernão Lopes (Crónica de el-rei D. João I, entre os capítulos CXIV e CL), o cerco à cidade, descrevendo as medidas defensivas, entre as quais:

A cerca era amparada por 77 torres, no topo das quais foram montados caramanchões de madeira, que visavam otimizar a defesa;

Os muros da cerca eram rasgados por 38 portas. A mais crítica era a chamada Porta de Santa Catarina, defronte da qual se estabeleceu o acampamento de Castela e defronte à qual se registava o maior número de contendas;

O lado da Ribeira era defendido por duas grossas estacadas, desde as águas do rio até ao pé da cerca;

Uma estacada dobrada defendia o Caminho de Santos, por baixo da Torre da Atalaia;

Uma estacada dobrada, no lado oposto da cidade, estendia-se junto ao muro dos fornos de cal, na direção do Mosteiro de Santa Clara;

Encontrava-se em construção, mesmo durante os combates, um troço da barbacã, defronte ao acampamento castelhano, desde a Porta de Santa Catarina até à Torre de Álvaro Pais, no comprimento de dois tiros de besta;

A frota vinda do Porto conseguiu penetrar a linha defensiva da frota inimiga, trazendo poucos alimentos à cidade e fortalecendo a guarnição. No combate naval, então travado contra as galés castelhanas, foram capturadas duas naus portuguesas e a galé real;

O cerco de Lisboa foi levantado a 3 de setembro de 1384 devido, sobretudo a uma epidemia que assolou o exército Castelhano, causando muitas baixas; houve também ataques na periferia do cerco por parte de forças do exército de D. João, Mestre de Avis, forças essas chefiadas pelo fronteiro do Alentejo, Nuno Álvares Pereira.

Finalmente o povo de Lisboa encontrava-se seguro e livre de perigo.


Cerco de Lisboa (1384)

0 comments

Comment

No comments avaliable.

Author

Info

Published in 25/01/2019

Updated in 19/02/2021

All events in the topic Diplomacia e Guerra:


Invalid DateTratado de WindsorTratado de Windsor
Invalid DateGuerra da RestauraçãoGuerra da Restauração
Invalid DateA morte do Conde AndeiroA morte do Conde Andeiro
Invalid DateOs portugueses ganham a batalha dos AtoleirosOs portugueses ganham a batalha dos Atoleiros
Invalid DateComeça o cerco de LisboaComeça o cerco de Lisboa
Invalid DateBatalha de Trancoso;
Invalid DatePortugal vence a Batalha de Valverde
Invalid DateBatalha de AlfarrobeiraBatalha de Alfarrobeira
Invalid DateConquista de CeutaConquista de Ceuta
Invalid DateBatalha de ToroBatalha de Toro
Invalid DateBatalha Naval da GuinéBatalha Naval da Guiné
Invalid DateBatalha de Alcácer-QuibirBatalha de Alcácer-Quibir