Skip to content

Rendição de Sintra ao rei de Portugal

01/11/1147

O governador muçulmano de Sintra rende-se às tropas de D. Afonso Henriques, após a conquista de Lisboa, no contexto da Segunda Cruzada.

Na carta De expugnatione Lyxbonensi, c. 1147, do cruzado Raol, consta o seguinte sobre Sintra:

"(...) há uma fonte puríssima, cujas águas, a quem as bebe, dizem, abrandam a tosse e a tísica; por isso quando os naturais dali ouvem tossir alguém, logo depreendem que é um estranho."

São estas águas que nos séculos posteriores irão abastecer os reservatórios, tanques e fontes do Paço de Sintra.

Castelo dos Mouros

0 comments

Comment

No comments avaliable.

Author

Info

Published in 18/03/2020

Updated in 19/02/2021

All events in the topic Paço de Sintra:


1838 (Aprox)1844 (Aprox)O Paço adapta-se à Monarquia ConstitucionalO Paço adapta-se à Monarquia Constitucional
1674 (Aprox)Uma tribuna na CapelaUma tribuna na Capela
1498 (Aprox)1520 (Aprox)Ergue-se o Paço Manuelino e a Sala dos BrasõesErgue-se o Paço Manuelino e a Sala dos Brasões
1459 (Aprox)1470 (Aprox)Um teto mudéjarUm teto mudéjar
1892 (Aprox)1898 (Aprox)Uma atualização para maior confortoUma atualização para maior conforto
01/11/175531/12/1787 (Aprox)Reconstrução do Paço de Sintra após o Terramoto de 1755Reconstrução do Paço de Sintra após o Terramoto de 1755
1416 (Aprox)1440 (Aprox)Os Avis constroem um novo PaçoOs Avis constroem um novo Paço
1009 (Aprox)1100 (Aprox)Fundação do Paço de SintraFundação do Paço de Sintra
1707 (Aprox)1720 (Aprox)Mais azulejos e corredoresMais azulejos e corredores
1910 (Aprox)1950 (Aprox)Um Palácio para a RepúblicaUm Palácio para a República