O Paço adapta-se à Monarquia Constitucional

01/01/183801/01/1844View on timeline

Neste período (1838-1844) decorrem obras para que o Palácio fique habitável e adaptado a novos ambientes domésticos. A Família Real a partir desta época passa a habitar regularmente em Sintra.

Em 1850 é executada uma planta detalhada da Vila de Sintra e do Palácio. Essa planta constitui um importante testemunho para se compreender os edifícios que fechavam o Terreiro e o Jardim da Preta - onde se alojavam os membros da corte: almoxarife; camaristas; criados; farmacêutico; guardas da cavalaria; e cozinheiros. Estes edifícios foram demolidos após a Implantação da República (ver planta). Fora do Palácio ficavam as habitações da alta nobreza portuguesa, identificadas na legenda na parte inferior da planta "Casas e Quintas mais Notáveis", onde constam Duque de Saldanha (nº80), Marquês do Faial (nº81), Marquês do Pombal (nº82), Condessa da Póvoa (nº83), Condessa de Murça (nº84), entre outros. 

O ideal romântico do século XIX renova o interesse por Sintra, buscando nela o deleite por cenários naturais. Escreveu Felix Lichnowsky, em 1842, o seguinte:

«(…) quanto mais tempo me demorava em Sintra tanto mais aprazível me parecia e mais sonhadoramente romântica; Até que, quando finalmente me foi forçoso partir, repassou-me um tão íntimo desgosto (…) Essas frescas veredas cobertas de folhagem, o crescimento majestoso e exuberante da vegetação; as cascatas e frígidos regatos, as montanhas e penedias, a perspectiva das campinas e do oceano, tudo isso nunca o esquecerei (…) proclamarei Sintra o mais belo de todos os sítios da Terra».

null
D. Pedro e D. Luís na Sala dos Cisnes do Paço de Sintra, 1843, William Barclay, aguarela sobre marfim.
Planta de 1850
Pormenor da Planta de 1850 - demarcado a azul os edifícios que foram demolidos depois da Implantação da República.
Planta (c.1836) - demarcado a azul uma sala grande do paço mandado construir por D. Manuel I que foi dividida para se criar aposentos. Este este espaço situa-se no piso abaixo da Sala Manuelina.
Vista de Sintra, 1829
Capa "Le Mondé Illustré" (nº242, 1861-11-30) onde está representado o Paço de Sintra. D. Luís I retira-se em luto em Sintra após as mortes dos irmãos: o rei D. Pedro V (†11-11-1861) e do Infante D. Fernando († 06-11-1861).

0 comments

Comment

No comments avaliable.

Author

Info

Published in 5/02/2020

Updated in 19/02/2021

All events in the topic Paço de Sintra:


Invalid DateUma tribuna na CapelaUma tribuna na Capela
Invalid DateUm teto mudéjarUm teto mudéjar
Invalid DateUma atualização para maior confortoUma atualização para maior conforto
Invalid DateRendição de Sintra ao rei de PortugalRendição de Sintra ao rei de Portugal
Invalid DateOs Avis constroem um novo PaçoOs Avis constroem um novo Paço
Invalid DateFundação do Paço de SintraFundação do Paço de Sintra
Invalid DateMais azulejos e corredoresMais azulejos e corredores
Invalid DateUm Palácio para a RepúblicaUm Palácio para a República