Skip to content

O Tratado de Madri entre Espanha e Portugal cria um Brasil maior

12/01/1750 • 22:53:32

Descrição

O Tratado de Madrid foi um tratado firmado na capital espanhola entre os reis João V de Portugal e Fernando VI de Espanha, em 13 de Janeiro de 1750, para definir os limites entre as respectivas colônias sul-americanas, pondo fim assim às disputas. O objetivo do tratado era substituir o Tratado Tordesilhas, o qual já não era mais respeitado na prática. Pelo tratado, ambas as partes reconheciam ter violado o Tratado de Tordesilhas na América e concordavam que, a partir de então, os limites deste tratado se sobreporiam aos limites anteriores. As negociações basearam-se no chamado Mapa das Cortes, privilegiando a utilização de rios e montanhas para demarcação dos limites. O diploma consagrou o princípio do direito privado romano do uti possidetis, ita possideatis (quem possui de fato, deve possuir de direito), delineando os contornos aproximados do Brasil de hoje.

O Tratado

O Tratado de Madrid foi a primeira tentativa de pôr fim ao litígio entre Espanha e Portugal a respeito dos limites de suas colônias na América do Sul.

Com as epopeias dos bandeirantes, desbravando o interior do Brasil, criando pequenos povoamentos, a validade do antigo Tratado de Tordesilhas estava em xeque. O novo Tratado tinha por objetivo "que se assinalassem os limites dos dois Estados, tomando por balizas as paragens mais conhecidas, tais como a origem e os cursos dos rios e dos montes mais notáveis, a fim de que em nenhum tempo se confundissem, nem dessem ensejo a contendas, que cada parte contratante ficasse com o território que no momento possuísse, à exceção das mútuas concessões que nesse pacto se iam fazer e que em seu lugar se diriam". Assinado em 1750, o tratado não usava as linhas convencionais, mas outro conceito de fronteiras, introduzido neste contexto por Alexandre de Gusmão, a posse efetiva da terra (uti possidetis) e os acidentes geográficos como limites naturais.

Com trabalhos apresentados à Corte espanhola, Gusmão comprovou que as usurpações luso-espanholas em relação à linha de Tordesilhas (1494) eram mútuas, com as portuguesas na América (parte da Amazônia e do Centro-oeste) sendo compensadas pelas da Espanha na Ásia (Filipinas, Ilhas Marianas e Ilhas Molucas).

Apesar de Tomás da Silva Teles (Visconde de Vila Nova de Cerveira) ter representado Portugal, Alexandre de Gusmão foi o redator do Tratado e o idealizador da aplicação do uti possidetis.

Em 1746, quando começaram as negociações diplomáticas a respeito do Tratado, Alexandre de Gusmão já possuía os mapas mais precisos da América do Sul, que encomendara aos melhores geógrafos do Reino. Era um dos trunfos com que contava para a luta diplomática que duraria quatro anos.

Alexandre sabia que os espanhóis jamais deixariam em paz uma colônia (Colônia do Sacramento) que lhes prejudicava o tesouro. Além disso, descobrira-se ouro no Brasil, não sendo preciso entrar em conflitos por causa da prata peruana. Para a compensação, já tinha em vista as terras convenientes à coroa portuguesa: os campos dos Sete Povos das Missões, a oeste do Rio Grande do Sul, onde os luso-brasileiros poderiam conseguir grandes lucros criando gado.

Finalmente, em Madrid, a 13 de janeiro de 1750, firmou-se o tratado: Portugal cedia a Colônia do Sacramento e as suas pretensões ao estuário do Prata, e em contrapartida receberia o atual estado do Rio Grande do Sul, partes de Santa Catarina e Paraná (território das missões jesuíticas espanholas), o atual Mato Grosso do Sul, a imensa zona compreendida entre o Alto-Paraguai, o Guaporé e o Madeira de um lado e o Tapajós e Tocantins do outro, regiões estas desabitadas e que não pertenceriam aos portugueses se não fossem as negociações do tratado.

Foi meio continente assegurado a Portugal pela atividade de Alexandre de Gusmão. Para a região mais disputada, o Sul, o santista já enviara, em 1746, casais de açorianos para garantir a posse do terreno. Era uma nova forma de colonização que Alexandre preconizava, através de famílias que produzissem, sem precisar de escravos. Os primeiros sessenta casais fundaram o Porto dos Casais, mais tarde Porto Alegre.

O tratado foi admirável em vários aspectos. Determinou que sempre haveria paz entre as colônias americanas, mesmo quando as metrópoles estivessem em guerra. Abandonou as decisões tomadas arbitrariamente nas cortes europeias por uma visão mais racional das fronteiras, marcadas pelos acidentes naturais do terreno e a posse efetiva da terra. O princípio romano de uti possidetis deixou de se referir à posse de direito, determinada por tratados, como até então tinha sido compreendido, para se fundamentar na posse de fato, na ocupação do território: as terras habitadas por portugueses eram portuguesas.

Entretanto, o tratado logo fez inimigos: os jesuítas espanhóis, expulsos das Missões, e os comerciantes impedidos de contrabandear no rio da Prata. Seus protestos encontraram um inesperado apoio no novo homem forte de Portugal: o Marquês de Pombal.

Um novo acordo — o de El Pardo —, firmado em 12 de fevereiro de 1761, anulou o de Madrid. Mas as bases geográficas e os fundamentos jurídicos por que Alexandre tanto lutara em 1750 acabaram prevalecendo e, em 1777, aqueles princípios anulados em El Pardo ressurgiram no Tratado de Santo Ildefonso.

A questão foi ainda objeto de um novo tratado do Pardo, a 11 de março de 1778.

Devido ao sucesso obtido por Gusmão no Tratado de Madrid, mais tarde o historiador paraguaio padre Bernardo Capdeville se referiria a este como "a vergonha da diplomacia espanhola".

Divisão territorial do Brasil em 1750
13 de Janeiro - T.1 Ep.67 - O Tratado de Madri e por que o Brasil é tão grande!

0 comments

Comment

No comments avaliable.

Author

Info

Published in 15/08/2018

Updated in 19/02/2021

All events in the topic Miscelânea:


06/06/1497 • 23:53:32Tratado de TordesilhasTratado de Tordesilhas
01/04/1500 • 23:53:32Pedro Alvares CabralPedro Alvares Cabral
24/03/1580 • 23:53:32União IbéricaUnião Ibérica
29/04/1625 • 23:53:32Portugueses recuperam a Bahia dos holandesesPortugueses recuperam a Bahia dos holandeses
23/01/1808 • 22:53:32Família Real chega ao BrasilFamília Real chega ao Brasil
06/09/1822 • 23:53:32Independência do BrasilIndependência do Brasil
31/12/1823 • 22:53:32Reflexões de Carnot sobre a força motriz do fogoReflexões de Carnot sobre a força motriz do fogo
06/10/1829 • 07:53:32Competição de locomotiva a vaporCompetição de locomotiva a vapor
29/04/1854 • 23:53:32Inaugurada a primeira ferrovia do BrasilInaugurada a primeira ferrovia do Brasil
11/04/1861 • 23:53:32Inicio da Guerra Civil AmericanaInicio da Guerra Civil Americana
08/05/1865 • 23:53:32Fim Guerra Civil AmericanaFim Guerra Civil Americana
10/06/1865 • 23:53:32Guerra do Paraguai: Batalha do RiachueloGuerra do Paraguai: Batalha do Riachuelo
13/03/1883 • 23:53:32Morte de Karl MarxMorte de Karl Marx
14/11/1889 • 22:53:32Deodoro da Fonseca proclama a República do BrasilDeodoro da Fonseca proclama a República do Brasil
30/11/1902 • 20:53:32Lançamento de Os SertõesLançamento de Os Sertões
31/07/1911 • 19:53:32O Triste Fim de Policarpo QuaresmaO Triste Fim de Policarpo Quaresma
27/07/1914 • 20:00:00Início da 1ª Guerra MundialInício da 1ª Guerra Mundial
24/10/1917 • 23:00:00Revolução VermelhaRevolução Vermelha
11/11/1918 • 10:00:00Fim primeira Guerra MundialFim primeira Guerra Mundial
10/02/1922 • 23:00:00Inicio semana Arte Moderna
17/02/1922 • 23:00:00Fim semana de Arte ModernaFim semana de Arte Moderna
25/07/1928 • 20:00:00MacunaimaMacunaima
23/11/1929 • 23:00:00Quebra da bolsa de NY
24/02/1932 • 01:00:00Voto feminino no BrasilVoto feminino no Brasil
27/12/1943 • 23:00:00Estreia da peça Vestido de NoivaEstreia da peça Vestido de Noiva