Participou da Conquista de Ceuta

21/08/1415View on timeline

A conquista de Ceuta, cidade islâmica do Norte de África, por tropas portuguesas sob o comando de João I de Portugal, deu-se a 21 de agosto de 1415.

Os motivos

As causas e origens da conquista de Ceuta não são suficientemente claras: uma das razões poderá ter sido a causa bélica. Teria sido a oportunidade dos infantes D. Duarte, D. Pedro e D. Henrique serem armados cavaleiros por um feito de guerra. Outra, poderá ser a causa religiosa, defendida por historiadores como Joaquim Bensaúde (1859-1951). Viram na figura do infante D. Henrique um símbolo do espírito de cruzada, defendendo ter havido na génese da expansão um zelo religioso. A causa política também não pode ser excluída. Talvez tivesse sido uma manobra de antecipação às aspirações de Castela, tal como defendem alguns historiadores, como é o caso de Jaime Cortesão (1884-1960). Estes motivos não são incompatíveis com a causa económica, defendida por António Sérgio (1883-1969) e, mais recentemente, por Vitorino Magalhães Godinho (1918-2011). Ceuta era uma cidade rica e havia vantagem em canalizar para Lisboa o tráfego do Mediterrâneo Ocidental feito por aquela cidade. Para se informar de todos os pormenores da cidade, D. João I enviou à Sicília dois embaixadores com o pretexto de pedirem a mão da rainha para o infante D. Pedro. Estes, na passagem, colheram todas as informações sobre Ceuta.

Causas

Estas são consideradas as principais razões da conquista de Ceuta:

Geoeconómicas: a posição geográfica de Ceuta permitia controlar a entrada e saída dos navios vindos do Atlântico para o Mediterrâneo e vice-versa através do estreito de Gibraltar, de modo que a costa do Algarve parasse de ser atacada por piratas oriundos ou baseados na cidade muçulmana.

Religiosas: havia um desejo de expansão da fé cristã através do incremento de territórios onde o cristianismo pudesse ser implantado.

Sociais: as classes mais abastadas tinham vários interesses nesta conquista. A nobreza buscava novas terras, honras e rendas; o clero desejava expandir a fé cristã; e a burguesia estava à procura de novos produtos e mercados.

Económicas: Portugal sofria com a falta de diversos produtos como trigo, ouro, prata e especiarias. A conquista de Ceuta significaria para o reino português o controle sobre uma cidade para onde afluíam os produtos orientais vindos da Índia pelas rotas caravaneiras que traziam ouro, especiarias, entre outros bens. Sublinhe-se ainda que a cidade era uma zona fértil, apropriada para a produção de cereais.

Políticas: o reino português procurava aumentar sua importância no quadro das monarquias ibéricas através do estabelecimento de Ceuta como o ponto mais oriental da reconquista cristã a ser feita por Portugal no Norte da África.


Painel de azulejos de Jorge Colaço (1864 - 1942) na Estação de São Bento, no Porto: o Infante D. Hen.rique

0 comments

Comment

No comments avaliable.

Author

Info

Published in 16/05/2019

Updated in 19/02/2021

All events in the topic Nuno Álvares Pereira - Vida e Legado:


Invalid DateNascimento de Nuno Álvares PereiraNascimento de Nuno Álvares Pereira
Invalid DateIngressa no Convento do Carmo a 15 de agostoIngressa no Convento do Carmo a 15 de agosto
Invalid DateInício do Processo de CanonizaçãoInício do Processo de Canonização
Invalid DateAnúncio da canonizaçãoAnúncio da canonização
Invalid DateLegadoLegado
Invalid DateA célebre batalha de ValverdeA célebre batalha de Valverde
Invalid DateParticipou da Conquista de CeutaParticipou da Conquista de Ceuta
Invalid DateMorre, Nuno Alves PereiraMorre, Nuno Alves Pereira
Invalid DateCasa com Leonor de AlvimCasa com Leonor de Alvim
Invalid DateO terramoto de 1755O terramoto de 1755
Invalid DateTransladação dos restos mortais para a Igreja do Santo CondestávelTransladação dos restos mortais para a Igreja do Santo Condestável
Invalid DateA Batalha de Aljubarrota, vitória decisiva de Portugal;A Batalha de Aljubarrota, vitória decisiva de Portugal;
Invalid DateCampanha Militar - 1384Campanha Militar - 1384
Invalid DateCampanha Militar - 1385Campanha Militar - 1385
Invalid DateCampanha Militar - 1386Campanha Militar - 1386
Invalid DateCampanha Militar - 1387Campanha Militar - 1387
Invalid DateÉ legitimado por D. Pedro IÉ legitimado por D. Pedro I
Invalid DateA morte de D. Fernando e o início da CriseA morte de D. Fernando e o início da Crise
Invalid DateNuno Alvares Pereira toma partido do Mestre de AvisNuno Alvares Pereira toma partido do Mestre de Avis
Invalid DateVence os castelhanos na Batalha dos Atoleiros.Vence os castelhanos na Batalha dos Atoleiros.
Invalid DateComeça a construção da capela de S. Jorge, em Aljubarrota.Começa a construção da capela de S. Jorge, em Aljubarrota.
Invalid DateComeça a construção do Convento do Carmo, em Lisboa.Começa a construção do Convento do Carmo, em Lisboa.
Invalid DatePartilha com os companheiros de armas muitas das suas terras.Partilha com os companheiros de armas muitas das suas terras.
Invalid DatePrimeiros carmelitas vêm viver para o Convento do Carmo.Primeiros carmelitas vêm viver para o Convento do Carmo.
Invalid DateFim das hostilidades com Castela.Fim das hostilidades com Castela.
Invalid DateMorre a filha, D. Beatriz. Projeta tornar-se carmelita.Morre a filha, D. Beatriz. Projeta tornar-se carmelita.
Invalid DateReparte pelos netos os seus títulos e domínios.Reparte pelos netos os seus títulos e domínios.
Invalid DatePrimeira trasladação dos restos mortaisPrimeira trasladação dos restos mortais
Invalid DateSegunda trasladação dos restos mortaisSegunda trasladação dos restos mortais
Invalid DateTerceira trasladação dos restos mortaisTerceira trasladação dos restos mortais
Invalid DateQuarta trasladação dos restos mortais.Quarta trasladação dos restos mortais.
Invalid DateO Papa Bento XV confirma o culto do Santo CondestávelO Papa Bento XV confirma o culto do Santo Condestável
Invalid DateProcesso de Canonização suspensoProcesso de Canonização suspenso
Invalid DateReinício do processo de CanonizaçãoReinício do processo de Canonização
Invalid DateInício da Campanha de 1384Início da Campanha de 1384
Invalid DateEm busca de provisões
Invalid DateCombate naval no Tejo: Lisboa> AlmadaCombate naval no Tejo: Lisboa> Almada
Invalid DateDiplomacia por Almada e conquista do Castelo
Invalid DateA caminho de Entre Tejo e GuadianaA caminho de Entre Tejo e Guadiana
Invalid DateTentativa de arregimentar novos soldados na comarca de ÉvoraTentativa de arregimentar novos soldados na comarca de Évora
Invalid DateO cerco de Monforte e Tomada do Castelo de ArronchesO cerco de Monforte e Tomada do Castelo de Arronches
Invalid DateA Frota do PortoA Frota do Porto
Invalid DateCombate na Ribeira de Alperrejão
Invalid DateCombate junto ao GuadianaCombate junto ao Guadiana
Invalid DateMovimento para Ponte de Sôr
Invalid DateO Cerco ao Fronteiro-MorO Cerco ao Fronteiro-Mor
Invalid DateNovas ordensNovas ordens
Invalid DateCombate e Reconquista de Almada
Invalid DateO fim do Cerco de Lisboa
Invalid DateTomada do Castelo de PortelTomada do Castelo de Portel
Invalid DateA conspiração contra o MestreA conspiração contra o Mestre
Invalid DateInsistência por Vila Viçosa
Invalid DateA caminho de Entre Tejo e Guadiana
Invalid DateO cerco de Monforte e Tomada do Castelo de Arronches
Invalid DateTomada do Castelo de Monsaraz
Invalid DateO Cerco ao Fronteiro-Mor
Invalid DateNovas Ordens