Skip to content

BARROCO

01/01/1670View on timeline

Barroco (1670 - 1755)

O ano de 1697 é uma data importante para a arquitectura portuguesa. Foi nesse ano que foi descoberto em Minas Gerais, no Brasil, ouro, pedras preciosas e diamantes. A extracção desses materiais enriqueceu muito a coroa portuguesa, que aplicava impostos altíssimos pela sua exploração. Este acontecimento tornou Portugal no país mais próspero e rico da Europa do século XVIII. O rei D. João V tentou rivalizar com o rei francês Luís XIV, o Rei Sol, construindo o maior número possível de edifícios luxuosos. O rei português, ao contrário de Luís XIV, não tinha disponíveis arquitectos nacionais para executar os seus planos megalómanos. Portanto, o muito dinheiro vindo do Brasil serviu para contratar arquitectos que projectaram inúmeras obras, tendo algumas delas nem chegado ao fim.

O Palácio de Queluz.

O Convento de Mafra é um dos edifícios barrocos mais sumptuosos do país. Este monumental complexo de infra-estruturas religiosas foi desenhado por Johann Friedwig Ludwig (conhecido em Portugal por João Frederico Ludovice). O projecto de Ludovice tenta sintetizar a Basílica de São Pedro, na Cidade do Vaticano, a Igreja de Sant'Ignazio, em Roma e o Palazzo Montecitorio, num só edifício. Isto deveu-se ao desejo do rei de ter a Cidade Eterna à beira do rio Tejo.

Outras obras importantes:

Aqueduto das Águas Livres (1729 - 1748) em Lisboa, de Manuel da Maia, Antonio Canevari e Custódio Vieira. Fornecia água à cidade aliado a muitos chafarizes desenhados pelo húngaro Carlos Mardel.

Quinta de Santo Antão do Tojal (1728 – 1732) do arquitecto italiano Antonio Canevari.

Palácio das Necessidades (1750) de Caetano Tomás de Sousa.

Palácio de Queluz (1755 – 1758) de Mateus Vicente de Oliveira, Manuel Caetano de Sousa e Jean-Baptiste Robillon. É um dos melhores exemplo do barroco em Portugal apesar da sua fachada ter alguns pormenores no estilo rococó.

Teatro real da Ópera do Tejo (1755 - 1755) de Giovanni Carlo Sicinio Galli da Bibbiena (1717-1760). Inaugurado a 31 de Março de 1755 com a ópera Alessandro Nell'Indie de Pietro Metastasio e música do compositor napolitano David Perez. Foi destruído no dia 1 de Novembro de 1755 em consequência do Terramoto de Lisboa.

Palácio de Queluz

0 comments

Comment

No comments avaliable.

Author

Info

Published in 25/05/2020

Updated in 19/02/2021

All events in the topic Historia de Lisboa e de Portugal:


Invalid DateREINO DE PORTUGALREINO DE PORTUGAL
Invalid DateCERCO DE LISBOACERCO DE LISBOA
Invalid DateREGICÍDIOREGICÍDIO
Invalid DateIMPLANTAÇÃO DA REPÚBLICAIMPLANTAÇÃO DA REPÚBLICA
Invalid DateD. SEBASTIÃOD. SEBASTIÃO
Invalid DateDINASTIA FILIPINADINASTIA FILIPINA
Invalid DateDINASTIA DE AVISDINASTIA DE AVIS
Invalid DateRESTAURAÇÃO DA INDEPENDÊNCIARESTAURAÇÃO DA INDEPENDÊNCIA
Invalid DateDINASTIA DE BRAGANÇADINASTIA DE BRAGANÇA
Invalid DateEXPO 98EXPO 98
Invalid DateMUSEU DOS COCHESMUSEU DOS COCHES
Invalid DateBARROCOBARROCO
Invalid DateESTILO POMBALINOESTILO POMBALINO
Invalid DateSISMOSISMO
Invalid DateGAIOLA POMBALINA - SISMOLOGIAGAIOLA POMBALINA - SISMOLOGIA
Invalid DateAv. DA LIBERDADEAv. DA LIBERDADE
Invalid DatePASSEIO PUBLICOPASSEIO PUBLICO
Invalid DateDUARTE PACHECO - VIADUTO E OUTRAS OBRASDUARTE PACHECO - VIADUTO E OUTRAS OBRAS
Invalid DateTORRE DE BELÉMTORRE DE BELÉM
Invalid DatePONTE SOBRE O TEJOPONTE SOBRE O TEJO
Invalid DatePARQUE MAYER
Invalid DatePARQUE MAYERPARQUE MAYER
Invalid DateMETROPOLITANO
Invalid DateMETROPOLITANOMETROPOLITANO
Invalid DateMETROPOLITANO DE LISBOAMETROPOLITANO DE LISBOA
Invalid DateLNECLNEC
Invalid DateZOOZOO