Guerra da Crimeia

16/10/1853View on timeline

A Guerra da Crimeia foi um conflito que se estendeu de 1853 a 1856, na península da Crimeia (no mar Negro), no sul da Rússia e nos Balcãs. Envolveu, de um lado o Império Russo e, de outro, uma coligação integrada pelo Reino Unido, a França, o Reino da Sardenha - formando a Aliança Anglo-Franco-Sarda - e o Império Otomano (atual Turquia). Esta coligação, que contou ainda com o apoio do Império Austríaco, foi formada como reação às pretensões expansionistas da Rússia.

Nesta guerra, foi importante o papel da marinha de corso, pela França e Reino Unido.

Zuavos franceses e soldados russos enfrentam-se na torre Malakoff durante a Batalha de Sevastopol.

A guerra

Desde o fim do século XVIII, os russos tentavam aumentar a sua influência na península dos Balcãs, região entre o mar Negro e o mar Mediterrâneo. Em 1853, o czar Nicolau I invocou o direito de proteger os lugares santos dos cristãos em Jerusalém, então parte do Império Otomano. Sob esse pretexto, as suas tropas invadiram os principados otomanos do Rio Danúbio (Moldávia e Valáquia, na atual Romênia). O sultão otomano, contando com o apoio da Grã-Bretanha e da França, rejeitou as pretensões do czar, declarando guerra à Rússia. Mediante a declaração de guerra, a frota russa destruiu a frota turca na Batalha de Sinop.

O Reino Unido, sob comando da rainha Vitória, temia que uma possível queda da cidade de Constantinopla diante das tropas russas lhe pudesse retirar o controle estratégico dos estreitos de Bósforo e Dardanelos, cortando-lhe as comunicações com a Índia. Por outro lado, Napoleão III de França mostrava-se ansioso para mostrar que era o legítimo sucessor do seu tio, Napoleão I. Mediante a derrota naval dos turcos, ambas declararam guerra à Rússia no ano seguinte, seguidos pelo Reino da Sardenha (governado por Vítor Emanuel II e do seu primeiro-ministro Cavour). Em troca, os turcos permitiriam a entrada de capitais ocidentais no Império.

O conflito iniciou-se efetivamente em março de 1854. Em agosto, os turcos, com o auxílio dos seus aliados, já haviam expulsado os invasores dos Balcãs. De forma a encerrar definitivamente o conflito, as frotas dos aliados convergiram sobre a península da Crimeia, desembarcando tropas a 16 de setembro de 1854, iniciando o bloqueio naval e o cerco terrestre à cidade portuária fortificada de Sebastopol, sede da frota russa no mar Negro. Embora a Rússia tenha sido vencida em batalhas como a de Balaclava e em Inkerman, o conflito arrastou-se com a sua recusa em aceitar os termos de paz. Entre as principais batalhas desta fase da campanha registam-se:

- Batalha do rio Alma;

- Batalha de Balaclava (imortalizada por Alfred Tennyson no poema A carga da brigada ligeira); 

- Batalha de Inkerman.

Durante o cerco a Sebastopol, a doença cobrou um pesado tributo às tropas britânicas e francesas, tendo-se destacado o heroico esforço de Florence Nightingale dirigindo o atendimento hospitalar de campanha. A praça-forte, em ruínas, só caiu um ano mais tarde, em setembro de 1855.

Batalha de Sinop, óleo de Ivan Konstantinovich Aivazovskii, 1853, Museu Naval Central, São Petersburgo.
Campo militar na Batalha de Balaclava
O cerco de Sebastopol, Franz Roubaud, 1904

O Tratado de Paris

A guerra terminou com a assinatura do tratado de Paris a 30 de março de 1856. Pelos seus termos, o novo czar, Alexandre II da Rússia, devolvia o sul da Bessarábia e a embocadura do rio Danúbio ao Império Otomano e à Moldávia. Renunciava a qualquer pretensão sobre os Balcãs e ficava proibido de manter bases ou forças navais no mar Negro.

Por outro lado, o Império Otomano, representado por Aali-pachà ou Meliemet Emin era admitido na comunidade das potências europeias, tendo o sultão se comprometido a tratar seus súditos cristãos de acordo com as leis europeias. A Valáquia e a Sérvia passaram a estar sob proteção internacional.

Novas hostilidades

Na Conferência de Londres (1875) a Rússia obteve o direito de livre trânsito nos estreitos de Bósforo e Dardanelos. Em 1877, iniciou uma nova guerra contra a Turquia, ao invadir os Balcãs em consequência da repressão turca e das revoltas de eslavos balcânicos. Diante da oposição das grandes potências, os russos recuaram outra vez. O Congresso de Berlim (1878), consagrou a independência dos Estados balcânicos e as perdas turcas da ilha de Chipre, para o Reino Unido, da Arménia e parte do território asiático para a Rússia e da Bósnia e Herzegovina para o Império Austro-Húngaro. Em 1895, o Reino Unido apresentou um plano de partilha da Turquia, recuando pela Alemanha, que preferia garantir para si concessões ferroviárias. Nos Balcãs, no início do século XX, o crescente nacionalismo eslavo contra a presença turca levou a região à primeira das Guerras Balcânicas. Esta política russofobia iria perdurar até a Entente anglo-russa de 1907 quando começou a emergir o Império Alemão na política europeia.

Fronteiras do Império Otomano nos Balcãs. Depois do tratado de Paris de 1856 (linha azul clara).
Guerra da Criméia

0 comments

Comment

No comments avaliable.

Author

Info

Published in 26/03/2019

Updated in 19/02/2021

All events in the topic Os Eventos do Mundo:


Invalid DateBatalha de AzincourtBatalha de Azincourt
Invalid DateGuerra dos Cem AnosGuerra dos Cem Anos
Invalid DateGuerra Franco-PrussianaGuerra Franco-Prussiana
Invalid DateReforma ProtestanteReforma Protestante
Invalid DatePeste negraPeste negra
Invalid DateTratado de TordesilhasTratado de Tordesilhas
Invalid DateUnião de KalmarUnião de Kalmar
Invalid DateGrande Cisma do OcidenteGrande Cisma do Ocidente
Invalid DateHenrique V de InglaterraHenrique V de Inglaterra
Invalid DateCalendário gregorianoCalendário gregoriano
Invalid DateTratado de ParisTratado de Paris
Invalid DateGripe espanhola de 1918Gripe espanhola de 1918
Invalid DateManifesto ComunistaManifesto Comunista
Invalid DateGuerra da CrimeiaGuerra da Crimeia
Invalid DateCongresso de VienaCongresso de Viena
Invalid DateQueda de ConstantinoplaQueda de Constantinopla
Invalid DateConcílio de TrentoConcílio de Trento
Invalid DateBatalha de WaterlooBatalha de Waterloo
Invalid DateCrise económica de 2007–2008Crise económica de 2007–2008
Invalid DateJoana d'ArcJoana d'Arc
Invalid DatePapado de AvinhãoPapado de Avinhão
Invalid DateCharles DarwinCharles Darwin