Skip to content

Guerra da Crimeia

16/10/1853

A Guerra da Crimeia foi um conflito que se estendeu de 1853 a 1856, na península da Crimeia (no mar Negro), no sul da Rússia e nos Balcãs. Envolveu, de um lado o Império Russo e, de outro, uma coligação integrada pelo Reino Unido, a França, o Reino da Sardenha - formando a Aliança Anglo-Franco-Sarda - e o Império Otomano (atual Turquia). Esta coligação, que contou ainda com o apoio do Império Austríaco, foi formada como reação às pretensões expansionistas da Rússia.

Nesta guerra, foi importante o papel da marinha de corso, pela França e Reino Unido.

Zuavos franceses e soldados russos enfrentam-se na torre Malakoff durante a Batalha de Sevastopol.

A guerra

Desde o fim do século XVIII, os russos tentavam aumentar a sua influência na península dos Balcãs, região entre o mar Negro e o mar Mediterrâneo. Em 1853, o czar Nicolau I invocou o direito de proteger os lugares santos dos cristãos em Jerusalém, então parte do Império Otomano. Sob esse pretexto, as suas tropas invadiram os principados otomanos do Rio Danúbio (Moldávia e Valáquia, na atual Romênia). O sultão otomano, contando com o apoio da Grã-Bretanha e da França, rejeitou as pretensões do czar, declarando guerra à Rússia. Mediante a declaração de guerra, a frota russa destruiu a frota turca na Batalha de Sinop.

O Reino Unido, sob comando da rainha Vitória, temia que uma possível queda da cidade de Constantinopla diante das tropas russas lhe pudesse retirar o controle estratégico dos estreitos de Bósforo e Dardanelos, cortando-lhe as comunicações com a Índia. Por outro lado, Napoleão III de França mostrava-se ansioso para mostrar que era o legítimo sucessor do seu tio, Napoleão I. Mediante a derrota naval dos turcos, ambas declararam guerra à Rússia no ano seguinte, seguidos pelo Reino da Sardenha (governado por Vítor Emanuel II e do seu primeiro-ministro Cavour). Em troca, os turcos permitiriam a entrada de capitais ocidentais no Império.

O conflito iniciou-se efetivamente em março de 1854. Em agosto, os turcos, com o auxílio dos seus aliados, já haviam expulsado os invasores dos Balcãs. De forma a encerrar definitivamente o conflito, as frotas dos aliados convergiram sobre a península da Crimeia, desembarcando tropas a 16 de setembro de 1854, iniciando o bloqueio naval e o cerco terrestre à cidade portuária fortificada de Sebastopol, sede da frota russa no mar Negro. Embora a Rússia tenha sido vencida em batalhas como a de Balaclava e em Inkerman, o conflito arrastou-se com a sua recusa em aceitar os termos de paz. Entre as principais batalhas desta fase da campanha registam-se:

- Batalha do rio Alma;

- Batalha de Balaclava (imortalizada por Alfred Tennyson no poema A carga da brigada ligeira); 

- Batalha de Inkerman.

Durante o cerco a Sebastopol, a doença cobrou um pesado tributo às tropas britânicas e francesas, tendo-se destacado o heroico esforço de Florence Nightingale dirigindo o atendimento hospitalar de campanha. A praça-forte, em ruínas, só caiu um ano mais tarde, em setembro de 1855.

Batalha de Sinop, óleo de Ivan Konstantinovich Aivazovskii, 1853, Museu Naval Central, São Petersburgo.
Campo militar na Batalha de Balaclava
O cerco de Sebastopol, Franz Roubaud, 1904

O Tratado de Paris

A guerra terminou com a assinatura do tratado de Paris a 30 de março de 1856. Pelos seus termos, o novo czar, Alexandre II da Rússia, devolvia o sul da Bessarábia e a embocadura do rio Danúbio ao Império Otomano e à Moldávia. Renunciava a qualquer pretensão sobre os Balcãs e ficava proibido de manter bases ou forças navais no mar Negro.

Por outro lado, o Império Otomano, representado por Aali-pachà ou Meliemet Emin era admitido na comunidade das potências europeias, tendo o sultão se comprometido a tratar seus súditos cristãos de acordo com as leis europeias. A Valáquia e a Sérvia passaram a estar sob proteção internacional.

Novas hostilidades

Na Conferência de Londres (1875) a Rússia obteve o direito de livre trânsito nos estreitos de Bósforo e Dardanelos. Em 1877, iniciou uma nova guerra contra a Turquia, ao invadir os Balcãs em consequência da repressão turca e das revoltas de eslavos balcânicos. Diante da oposição das grandes potências, os russos recuaram outra vez. O Congresso de Berlim (1878), consagrou a independência dos Estados balcânicos e as perdas turcas da ilha de Chipre, para o Reino Unido, da Arménia e parte do território asiático para a Rússia e da Bósnia e Herzegovina para o Império Austro-Húngaro. Em 1895, o Reino Unido apresentou um plano de partilha da Turquia, recuando pela Alemanha, que preferia garantir para si concessões ferroviárias. Nos Balcãs, no início do século XX, o crescente nacionalismo eslavo contra a presença turca levou a região à primeira das Guerras Balcânicas. Esta política russofobia iria perdurar até a Entente anglo-russa de 1907 quando começou a emergir o Império Alemão na política europeia.

Fronteiras do Império Otomano nos Balcãs. Depois do tratado de Paris de 1856 (linha azul clara).
Guerra da Criméia

0 comments

Comment

No comments avaliable.

Author

Info

Published in 26/03/2019

Updated in 19/02/2021

All events in the topic Os Eventos do Mundo:


25/10/1415Batalha de AzincourtBatalha de Azincourt
24/05/133706/01/1453Guerra dos Cem AnosGuerra dos Cem Anos
19/07/1870Guerra Franco-PrussianaGuerra Franco-Prussiana
31/10/1517Reforma ProtestanteReforma Protestante
1343Peste negraPeste negra
07/06/1494Tratado de TordesilhasTratado de Tordesilhas
1397União de KalmarUnião de Kalmar
1378Grande Cisma do OcidenteGrande Cisma do Ocidente
21/03/1413Henrique V de InglaterraHenrique V de Inglaterra
24/02/1582Calendário gregorianoCalendário gregoriano
30/11/1783Tratado de ParisTratado de Paris
04/03/1918Gripe espanhola de 1918Gripe espanhola de 1918
21/02/1848Manifesto ComunistaManifesto Comunista
16/10/1853Guerra da CrimeiaGuerra da Crimeia
18/06/1815Congresso de VienaCongresso de Viena
06/04/1453Queda de ConstantinoplaQueda de Constantinopla
1545Concílio de TrentoConcílio de Trento
18/06/1815Batalha de WaterlooBatalha de Waterloo
02/2007Crise económica de 2007–2008Crise económica de 2007–2008
06/01/1412Joana d'ArcJoana d'Arc
1309Papado de AvinhãoPapado de Avinhão
12/02/1809Charles DarwinCharles Darwin