Guerra dos Cem Anos

24/05/133706/01/1453View on timeline

Descrição

A Guerra dos Cem Anos foi uma série de conflitos travados de 1337 a 1453 pela Casa Plantageneta, governantes do Reino da Inglaterra, contra a Casa de Valois, governantes do Reino de França, sobre a sucessão do trono francês. Cada lado atraiu muitos aliados para a guerra. Foi um dos conflitos mais notáveis ​​da Idade Média: cinco gerações de reis, de duas dinastias rivais, lutaram pelo trono do maior reino da Europa Ocidental. A guerra marcou tanto o auge da cavalaria medieval quanto o seu subsequente declínio e desenvolvimento das fortes identidades nacionais de ambos os países. Depois da Conquista Normanda, os reis de Inglaterra passaram a vassalos dos reis de França. Os reis franceses esforçaram-se, ao longo dos séculos, para reduzir estas posses, tentando que apenas a Gasconha fosse deixada para os ingleses. A confiscação ou a ameaça de confisco deste ducado fez parte da política francesa para controlar o crescimento do poder inglês, particularmente quando os ingleses estavam em guerra com o Reino da Escócia, um aliado de França.

Por intermédio da sua mãe, Isabel da França, Eduardo III de Inglaterra era o neto de Filipe IV de França e sobrinho de Carlos IV de França, o último rei da linha principal da Casa dos Capeto. Em 1316 ficou estabelecido um princípio que negava a sucessão das mulheres ao trono francês. Quando Carlos IV morreu em 1328, Isabella, incapaz de reivindicar o trono francês para ela própria, reivindicou-o para o seu filho. Os franceses rejeitaram o pedido, sustentando que Isabella não podia transmitir um direito que ela não possuía. Ao longo de nove anos (1328-1337), os ingleses aceitaram a sucessão de Valois ao trono francês, mas a interferência do rei de França, Filipe VI, na guerra de Eduardo III contra a Escócia permitiu a Eduardo III reafirmar a sua reivindicação ao trono francês. Foram várias as vitórias esmagadoras inglesas na guerra - em Crecy, Poitiers e Agincourt - que levantaram as perspetivas de um triunfo inglês definitivo. No entanto, os maiores recursos da monarquia francesa impediram uma conquista completa. A partir de 1429, as decisivas vitórias francesas em Patay, Formigny e Castillon concluíram que a guerra a favor de França, com Inglaterra ia perdendo permanentemente a maior parte de suas principais possessões no continente.

Historiadores concordam ao dividir a guerra em três fases separadas por tréguas: a Guerra da Era Eduardiana (1337-1360); a Guerra Carolina (1369-1389); e a Guerra de Lancaster (1415-1453). Os conflitos locais nas áreas vizinhas, que estavam contemporaneamente relacionados com a guerra, incluindo a Guerra da Sucessão Bretã (1341-1364), a Guerra Civil de Castela (1366-1369), a Guerra dos Dois Pedros (1356-1375) em Aragão e a Crise de 1383–1385 em Portugal, foram aproveitadas pelas partes para fazer avançar as suas agendas. Posteriormente, os historiadores adotaram o termo "Guerra dos Cem Anos" como uma periodização da historiografia para abranger todos esses eventos, construindo assim o maior conflito militar da história europeia.

A guerra deve o seu significado histórico a múltiplos fatores. No final, os exércitos feudais foram substituídos por tropas profissionais e o domínio aristocrático cedeu à democratização da mão-de-obra e das armas dos exércitos. Primeiramente deu-se um conflito dinástico, a guerra deu o ímpeto às ideias do nacionalismo francês e inglês. A introdução mais ampla de armas e táticas suplantou os exércitos feudais onde a cavalaria pesada tinha até então dominado. A guerra precipitou a criação dos primeiros exércitos permanentes na Europa Ocidental desde a época do Império Romano do Ocidente e assim ajudando a mudar seu papel na guerra. Em relação aos beligerantes, em França, as guerras civis, as epidemias mortais, as fomes e os mercenários reduziram a população drasticamente. As forças políticas inglesas opuseram-se. A insatisfação dos nobres ingleses, resultante da perda das suas terras continentais, tornou-se um fator que levou às guerras civis conhecidas como a Guerras das Rosas (1455-1487).

De cima, da esquerda para a direita: Batalha de La Rochelle; Batalha de Azincourt; Batalha de Patay.
A Europa em 1430 na última fase da Guerra dos Cem Anos.

Principais batalhas

Entre os episódios mais importantes do conflito citam-se:

A Batalha de Sluys (1340);

A Batalha de Crécy (1346);

A Batalha de Calais (1347);

A Batalha de Poitiers (1356);

A Batalha de Cocherel (1364); 

A Batalha de Aljubarrota (1385);

A Batalha de Azincourt (1415);

O Cerco a Orléans (1429);

A Batalha de Jargeau (1429);

O Cerco de Paris (1429);

A Batalha de Meung-sur-Loire (1429);

A Batalha de Patay (1429);

A Batalha de Formigny (1450);

A Batalha de Castillon (1453).

Uma das primeiras batalhas da guerra dos cem anos ocorreu em Sluis, perto de Bruges, Bélgica.

Consequências

Os conflitos deixaram um saldo de milhares de mortos para ambos os lados e uma devastação sem precedentes nos territórios e na produção agrícola francesa.

No plano político e social, a Guerra dos Cem Anos contribuiu para a dinastia de Valois, apoiada pela burguesia, fortaleceu o poder real francês, abrindo caminho para o chamado absolutismo, por vários motivos:

Liquidou as pretensões inglesas sobre os territórios franceses;

Os feudos do rei inglês, em França, passaram para o domínio da coroa francesa;

O longo período de guerras enfraqueceu bastante a nobreza francesa, porque, à medida que os nobres morriam, os seus feudos iam passando para o domínio do rei, debilitando o sistema feudal.

Construção de uma identidade nacional entre os franceses;

Tornou possível a criação de algumas instituições de governo centralizadas.

A cavalaria entrou em decadência.

Atrasou a expansão marítimo-comercial norte-francesa o que lhe custou a perda de grande parte do mundo para os países ibéricos, razão pela qual a França foi o único dos grandes países expansionistas a ter impacto e influência demográfica desprezível nas Américas, em contraste com países como Portugal e Espanha. Ao contrário da França, a Inglaterra e, posteriormente, a Holanda conseguiram recuperar o tempo perdido, inclusive superando os países ibéricos no hemisfério leste e maior parte da América Setentrional.

No plano das relações internacionais da Europa no período, o conflito ligou-se ainda a outros episódios como a Guerra Civil de Castela, os confrontos na Sicília entre França e o reino de Aragão e mesmo o chamado Papado de Avinhão.

Poderá, enfim, dizer-se que a Guerra dos Cem Anos marcou o final da Idade Média e anunciou a Idade Moderna.

Quando Todos os Caminhos Levavam a Portugal

Guerra dos Cem Anos

Guerra dos 100 Anos

0 comments

Comment

No comments avaliable.

Author

Info

Published in 24/01/2019

Updated in 19/02/2021

All events in the topic Os Eventos do Mundo:


Invalid DateBatalha de AzincourtBatalha de Azincourt
Invalid DateGuerra dos Cem AnosGuerra dos Cem Anos
Invalid DateGuerra Franco-PrussianaGuerra Franco-Prussiana
Invalid DateReforma ProtestanteReforma Protestante
Invalid DatePeste negraPeste negra
Invalid DateTratado de TordesilhasTratado de Tordesilhas
Invalid DateUnião de KalmarUnião de Kalmar
Invalid DateGrande Cisma do OcidenteGrande Cisma do Ocidente
Invalid DateHenrique V de InglaterraHenrique V de Inglaterra
Invalid DateCalendário gregorianoCalendário gregoriano
Invalid DateTratado de ParisTratado de Paris
Invalid DateGripe espanhola de 1918Gripe espanhola de 1918
Invalid DateManifesto ComunistaManifesto Comunista
Invalid DateGuerra da CrimeiaGuerra da Crimeia
Invalid DateCongresso de VienaCongresso de Viena
Invalid DateQueda de ConstantinoplaQueda de Constantinopla
Invalid DateConcílio de TrentoConcílio de Trento
Invalid DateBatalha de WaterlooBatalha de Waterloo
Invalid DateCrise económica de 2007–2008Crise económica de 2007–2008
Invalid DateJoana d'ArcJoana d'Arc
Invalid DatePapado de AvinhãoPapado de Avinhão
Invalid DateCharles DarwinCharles Darwin