Segunda revolta da Armada

05/09/1893 • 23:53:32View on timeline

Descrição

Começou a delinear-se em Março de 1892, quando treze generais enviaram uma Carta-Manifesto ao Presidente da República, Floriano Peixoto. Este documento exigia a convocação de novas eleições presidenciais para que, cumprindo-se o dispositivo constitucional, se estabelecesse a tranquilidade interna na nação. Floriano reprimiu duramente o movimento, determinando a prisão de seus líderes.

Em 6 de setembro de 1893, um grupo de altos oficiais da Marinha exigiu a imediata convocação dos eleitores para a escolha dos governantes. Entre os revoltosos estavam os almirantes Saldanha da Gama, Eduardo Wandenkolk e Custódio de Melo, ex-ministro da Marinha e candidato declarado à sucessão de Floriano. Sua adesão refletia o descontentamento da Armada com o pequeno prestígio político da Marinha em comparação ao do Exército. No movimento encontravam-se também jovens oficiais e muitos monarquistas.

A revolta teve pouco apoio político e popular na cidade do Rio de Janeiro, onde a partir de 13 de setembro diversas unidades encouraçadas trocaram tiros com a artilharia dos fortes em poder do Exército. Houve sangrenta batalha na Ponta da Armação, em Niterói, área guarnecida por aproximadamente 3.000 governistas, os quais eram compostos entre outros por batalhões da Força Pública e da Guarda Nacional. Por conta dos acontecimentos da revolta, durante o governo de José Tomás da Porciúncula a capital do estado do Rio de Janeiro, então a cidade de Niterói, foi transferida para a cidade de Petrópolis em 1894, de onde só retornou em 1903. Sem chance de vitória na baía da Guanabara, os revoltosos dirigiram-se para sul do país. Alguns efetivos desembarcam na cidade de Desterro (atual Florianópolis) e tentaram, inutilmente, articular-se com os federalistas gaúchos.

O presidente da República, apoiado pelo Exército brasileiro e pelo Partido Republicano Paulista conteve o movimento em março de 1894, para o que fez adquirir, às pressas, no exterior, por meio do empresário e banqueiro estadunidense Charles Ranlett Flint, alguns navios de guerra, a chamada "frota de papel". Essa frota, adquirida nos Estados Unidos, foi também denominada pelos governistas como "Esquadra Flint" e viajou do porto de Nova York até a baía de Guanabara tripulada por mercenários estadunidenses. De acordo com Joaquim Nabuco, as tropas contratadas para auxiliar o governo federal eram "a pior escória de filibusteiros americanos". Em março de 1894 a rebelião estava vencida. O rigor de Floriano Peixoto ante os dois movimentos revolucionários lhe valeu o cognome Marechal de Ferro.

Aspecto da Baía de Guanabara no dia 13 de setembro de 1893, durante o bombardeio entre as fortalezas...
O BRASIL POR EDUARDO BUENO - A Revolta da Armada

0 comments

Comment

No comments avaliable.

Author

Info

Published in 15/08/2018

Updated in 19/02/2021

All events in the topic Guerras e Revoltas:


Invalid DateGuerra FarraposGuerra Farrapos
Invalid DateInicio Guerra ParaguaiInicio Guerra Paraguai
Invalid DateMorre Solano LopesMorre Solano Lopes
Invalid DateAcordo Paz Brasil ParaguaiAcordo Paz Brasil Paraguai
Invalid DateAntonio Conselheiro chega CanudosAntonio Conselheiro chega Canudos
Invalid DateRevolução FederalistaRevolução Federalista
Invalid DateSegunda revolta da ArmadaSegunda revolta da Armada
Invalid DateFim da Revolução FederalistaFim da Revolução Federalista
Invalid DateInicio Guerra CanudosInicio Guerra Canudos
Invalid DateFim Guerra CanudosFim Guerra Canudos
Invalid DateRevolta da VacinaRevolta da Vacina
Invalid DateFim Revolta VacinaFim Revolta Vacina
Invalid DateInicio Revolta da ChibataInicio Revolta da Chibata
Invalid DateFim revolta ChibataFim revolta Chibata
Invalid DateInício Guerra ConstestadoInício Guerra Constestado
Invalid DateFim Guerra do ConstestadoFim Guerra do Constestado
Invalid DateRevolta dos 18 do Forte de CopacabanaRevolta dos 18 do Forte de Copacabana
Invalid DateDeposição de Washington LuisDeposição de Washington Luis