Getulio Vargas

31/01/1951View on timeline

Descrição

.Nacionalismo Econômico: (PETROBRÁS, BNDE )

.Medidas Trabalhistas: o maior salário mínimo

.Oposições a Vargas : Capital Estrangeiro contra o nacionalismo econômico

Setores Conservadores contra o comunismo e a intervenção estatal na economia

.Pressões contra o governo

.Crise Político-Institucional: Oposição no Congresso; Carlos Lacerda da UDN; (Tribuna da Imprensa)

.Agosto de 1954: Crime da Rua Toneleiros, Inquérito comprometedor, Pressões para a renúncia

SUICÍDIO

Em 1951, Getúlio Vargas retornou ao posto de Presidente da República. Para voltar ao poder, o político gaúcho optou por deixar sua imagem política afastada dos palcos do poder. Entre 1945 e 1947, ele assumiu, de forma pouco atuante, o cargo de senador federal. Nas eleições de 1950, ele retornou ao cenário político utilizando de alguns dos velhos bordões e estratagemas que elogiavam o seu antigo governo.

Querendo buscar amplas alianças políticas, Getúlio abraçou setores com diferentes aspirações políticas. Em um período de Guerra Fria, onde a polarização ideológica era pauta do dia, Vargas se aliou tanto aos defensores do nacionalismo quanto do liberalismo. Dessa maneira, ele parecia querer repetir o anterior “Estado de Compromisso” que marcou seus primeiros anos frente à presidência do Brasil.

Por um lado, os liberalistas, representados pelo empresariado nacional, e militares, defendiam a abertura da economia nacional ao capital estrangeiro e adoção de medidas monetaristas que controlariam as atividades econômicas e os índices inflacionários. Por outro, os nacionalistas, que contavam com trabalhadores e representantes de esquerda, eram favoráveis a um projeto de desenvolvimento que contava com a participação maciça do Estado na economia e a rejeição ao capital estrangeiro.

Dada essa explanação, perceberemos que liberalistas e nacionalistas tinham opiniões diferentes sobre o destino do país e, até mesmo, antagonizavam em alguns temas e questões. Dessa forma, Vargas teria a difícil missão de conseguir se equilibrar entre esses dois grupos de orientação política dentro do país. Mais uma vez, sua função mediadora entre diferentes setores político-sociais seria colocada à prova.

As ações polêmicas do governo

Entre as principais medidas por ele tomadas, podemos destacar a criação de duas grandes estatais do setor energético: a Petrobrás, que viria a controlar toda atividade de prospecção e refino de petróleo no país; e a Eletrobrás, empresa responsável pela geração e distribuição de energia elétrica. Além disso, Vargas convocou João Goulart para assumir o Ministério do Trabalho. Em um período de intensa atividade grevista, João Goulart defendeu um reajuste salarial de 100%.

Todas essas medidas tinham forte tendência nacionalista e foram recebidas com tamanho desagrado pelas elites e setores do oficialato nacional. Entre os principais críticos do governo, estava Carlos Lacerda, membro da UDN, que por meio dos órgãos de imprensa acusava o governo de promover a “esquerdização” do Brasil e praticar corrupção política. Essa rixa entre Vargas e Lacerda, ganhou as páginas dos jornais quando, em agosto de 1954, Carlos Lacerda escapou de um atentado promovido por Gregório Fortunato, guarda pessoal do presidente.

O suicídio de Vargas

A polêmica sob o envolvimento de Vargas no episódio serviu de justificativa para que as forças oposicionistas exigissem a renúncia do presidente. Mediante a pressão política estabelecida contra si, Vargas escolheu outra solução. Na manhã de 24 de agosto de 1954, Vargas atentou contra a própria vida disparando um tiro contra o coração. Na carta-testamento por ele escrita, Getúlio denunciou sua derrota perante “grupos nacionais e internacionais” que desprezavam a sua luta pelo “povo e, principalmente, os humildes”.

Depois dessa atitude trágica, a população entrou em grande comoção. Vargas passou a ser celebrado como um herói nacional que teve sua vida ceifada por forças superiores à sua luta popular. Com isso, todo grupo político, jornal e instituição que se pôs contra Getúlio Vargas, sofreu intenso repúdio das massas. Tal reação veio a impedir a consolidação de um possível golpe de estado. Dessa forma, o vice-presidente Café Filho assumiu a vaga presidencial.

Getulio Vargas
Conhecendo os Presidentes - Ep. 18: Getúlio Vargas - Parte III

0 comments

Comment

No comments avaliable.

Author

Info

Published in 14/08/2018

Updated in 19/02/2021

All events in the topic Monarquia e Presidente do Brasil:


Invalid DateChegada da Corte no BrasilChegada da Corte no Brasil
Invalid DateRetorno de Dom João VI a PortugalRetorno de Dom João VI a Portugal
Invalid DateDom Pedro IDom Pedro I
Invalid DateDom Pedro IIDom Pedro II
Invalid DateDeodoro da FonsecaDeodoro da Fonseca
Invalid DateMal Deodoro da Fonseca eleito presidente
Invalid DateFloriano PeixotoFloriano Peixoto
Invalid DatePrudente de MoraisPrudente de Morais
Invalid DateCampos SalesCampos Sales
Invalid DateRodrigues AlvesRodrigues Alves
Invalid DateAfonso PenaAfonso Pena
Invalid DateNilo PeçanhaNilo Peçanha
Invalid DateHermes da FonsecaHermes da Fonseca
Invalid DateVenceslau BrásVenceslau Brás
Invalid DateDelfim MoreiraDelfim Moreira
Invalid DateEpitacio PessoaEpitacio Pessoa
Invalid DateArtur BernardesArtur Bernardes
Invalid DateWashington LuisWashington Luis
Invalid DateGetulio VargasGetulio Vargas
Invalid DateEurico Gaspar DutraEurico Gaspar Dutra
Invalid DateGetulio VargasGetulio Vargas
Invalid DateCafé FilhoCafé Filho
Invalid DateJucelino KubitschekJucelino Kubitschek
Invalid DateJanio QuadrosJanio Quadros
Invalid DateJoão GoulartJoão Goulart
Invalid DateHumberto de Alencar Castelo BrancoHumberto de Alencar Castelo Branco
Invalid DateArtur da Costa e SilvaArtur da Costa e Silva
Invalid DateEmilio Garrastazu MediciEmilio Garrastazu Medici
Invalid DateErnesto GeiselErnesto Geisel
Invalid DateJoão FigueiredoJoão Figueiredo
Invalid DateJosé SarneyJosé Sarney
Invalid DateFernando CollorFernando Collor
Invalid DateItamar FrancoItamar Franco
Invalid DateFernando Henrique CardosoFernando Henrique Cardoso
Invalid DateLuiz Inácio Lula da SilvaLuiz Inácio Lula da Silva
Invalid DateDilma RoussefDilma Roussef
Invalid DateMichel TemerMichel Temer