“Trans Amazônica” e “L’Arbre D’Oublier””, “Ipê-amarelo”, “Cine Brasil”, “Cine África” - Copy

2013

Trans Amazônica, Luciana Magno

Trans Amazônica, Luciana Magno, 2013, Vídeo, 1’11”, cor, sem áudio
    

Nessa performance, a artista assume uma postura que remete àquela em que homens e mulheres indígenas são enterrados, e se posiciona em um trecho inacabado da rodovia Transamazônica, que atravessa a floresta. A obra serve de suporte para uma reflexão sobre a causa indígena e sua invisibilidade diante das estruturas de poder. Leia mais sobre a obra aqui.

Veja também um comentário de Luciana Magno sobre a obra durante o 19º Festival de Arte Contemporânea Sesc Videobrasil em 2015.

Luciana Magno (Belém, 1987)

Artista dedicada à performance articulada com meios como vídeo e fotografia. Sua pesquisa envolve questões políticas, sociais e antropológicas relacionadas ao impacto do desenvolvimentismo da região amazônica. A integração do corpo à paisagem e ao entorno é um elemento determinante e recorrente em suas obras. Vive em Belém, Brasil.

Veja aqui a notícia publicada sobre a participação da artista na mostra Arte Pará, 2021.

L’Arbre D’Oublier, Ipê-amarelo, Cine Brasil, Cine África, Paulo Nazareth

Stillframe de L’Arbre D’Oublier, 27’31”; Paulo Nazareth, Vídeo, 2013   

Vídeos integrantes da exposição Reviravolta, 2022:

L’Arbre D’Oublier, 2013

Vídeo, 27’31”, p&b, mono

Ipê-amarelo, 2013

Vídeo, 15’44”, p&b, mono

Cine Brasil, 2013

Vídeo, 15’10”, p&b, mono

Cine África, 2013

Vídeo, 7’35”, p&b, mono

Em Ouidah, no Benim, um dos maiores portos de tráfico negreiro da África, o artista Paulo Nazareth volteia de costas a Árvore do Esquecimento (em francês, L’Arbre D’Oublier) realizando ao contrário o ritual ao qual homens escravizados eram submetidos para apagar suas memórias. Numa tentativa poética de rebobinar a história, Nazareth repete o gesto também em torno de árvores no Brasil, como o ipê, um símbolo nacional.

Veja aqui um comentário do artista sobre um procedimento comum a seus vídeos L’Arbre D’Oublier, Cine África, Cine Brasil e Ipê Amarelo; durante o 19º Festival de Arte Contemporânea Sesc Videobrasil em 2015.

Paulo Nazareth (Governador Valadares-MG, Brasil, 1977)

Artista visual. Suas obras envolvem instalação, objetos, vídeo, fotografia e performance, além de longos trajetos realizados a pé, que refletem sobre temas como o peso das conexões entre pessoas e continentes na constituição de identidades. Operando no limiar entre ironia e franqueza, o artista escancara questões sociais e políticas. Vive em Belo Horizonte, Brasil.

Conheça o site do artista.

0 comments

Comment
No comments avaliable.

Author

Info

Published in 21/06/2022

Updated in 21/06/2022

All events in the topic Arte e Geopolítica no Acervo Videobrasil:


2012“Tomo” e “Faraw ka taama”  - Copy“Tomo” e “Faraw ka taama” - Copy
2016“New Frontier” e “Há terra!” - Copy“New Frontier” e “Há terra!” - Copy
10/06/2022Reviravolta: Arte e Geopolítica no Acervo Videobrasil - CopyReviravolta: Arte e Geopolítica no Acervo Videobrasil - Copy
21/06/2022New Event - Copy
21/06/2022New Event - Copy