Início

27/02/1904View on timeline

História do Sport Lisboa e Benfica

A história do Sport Lisboa e Benfica está intimamente ligada à história de dois clubes: o Sport Lisboa e o Sport Clube de Benfica. A fusão dos mesmos deu-se em setembro de 1908, durante a presidência de João José Pires, que passou do cargo no Sport Clube de Benfica para o recém-unificado Sport Lisboa e Benfica.

As origens remontam a dezembro de 1903, quando foram realizados dois desafios entre a Associação do Bem e o Grupo dos Catataus, ambos os grupos na génese do Sport Lisboa. O segundo jogo teria sido ganho, por 1-0, pela Associação do Bem, quando anteriormente num primeiro desafio havia perdido por 1-0. Os dois desafios foram disputados nas Salésias e no final do segundo jogo celebrou-se a vitória numa cervejaria em frente da Farmácia Franco. Nessa festa partiu a ideia dos jogadores se reunirem em clube, o que foi discutido posteriormente. Houve uma hesitação no título: Sport Lisbonense de Lisboa ou Sport Lisboa. E no fim foi escolhido para nome do clube a última designação.

Emblema do Sport Lisboa
Símbolo do Sport Lisboa e Benfica em 1908

Sport Lisboa

No longínquo dia 28 de Fevereiro de 1904, ainda no tempo da monarquia, é fundado um clube conhecido por Sport Lisboa, na região de Belém, uma zona aristocrática da cidade de Lisboa. Essa reunião foi realizada na Farmácia Franco que foi propriedade do 1.º Conde do Restelo, Pedro Augusto Franco, e que havia sido Presidente da Câmara Municipal de Belém, Vereador e Presidente da Câmara Municipal de Lisboa. É importante realçar que foram 24 os fundadores, entre eles Cosme Damião, que se acredita ter escrito a ata, embora não apareça no documento o seu nome nem a sua assinatura. Este viria a tornar-se o principal dirigente nas primeiras décadas da vida do novo Clube assim como jogador, capitão, treinador, e secretário.

Cosme Damião

No início dos tempos eram utilizadas redes de pesca para as balizas e estas montavam-se e desmontavam-se no final de cada jogo. Para o banho usavam a água de um poço, onde um moço retirava a água com um balde e despejava-a pela cabeça dos jogadores. O Sport Lisboa criou igualmente o hábito de oferecer lanches aos adversários, inclusive nos seus primeiros documentos de contabilidade há despesas de 4,5 litros de vinho e de 36 sanduíches. A 1 de Janeiro de 1905, o Sport Lisboa realizou o primeiro jogo formal, contra o Campo de Ourique. O treinador foi Manuel Gourlade e a vitória, por 1-0, acabou por sorrir ao Sport Lisboa.

Devido às origens do clube havia uma enorme simpatia entre os alunos da Casa Pia de Lisboa e o Sport Lisboa, e por vezes o Cosme Damião, recorria à Casa Pia para recrutar alguns alunos para jogarem no Sport Lisboa, formando com eles acordos que não iam além da promessa verbal de pagamento das passagens de eléctrico ou comboio, embora, lá de longe a longe, os brindasse com uns pratinhos de iscas com batatas.

O Sport Lisboa, onde a palavra Grupo caiu em desuso e nem sequer chegou a fazer parte do emblema do clube, era formado por ex-alunos da Real Casa Pia de Lisboa, nobre Instituição de amparo às crianças carenciadas, e que já haviam pertencido ao Grupo dos Catataus (entre eles José Rosa Rodrigues) e à Associação do Bem (entre eles Cosme Damião) fundada em 31 de Julho de 1903 e que tinha por fins a beneficência, solidariedade, jogos, aula de esgrima, festas e reuniões. Ficou decidido que as cores seriam o vermelho e branco, por simbolizarem a bravura e a paz, respectivamente, como símbolo do clube a águia, que simboliza a elevação das aspirações do clube, isto é, independência, autoridade e nobreza, e finalmente a divisa "E Pluribus Unum", que significa de muitos, um! de modo a definir a união entre os associados e o espírito de família que caracterizou a criação do Clube.

Acta da Fundação, escrita por Cosme Damião

Em 10 de Fevereiro de 1907, no campo da Quinta Nova, em Carcavelos, o Sport Lisboa venceu, por 2 a 1, os "mestres ingleses" do Carcavellos Club, invencíveis por 9 anos, desde 1898! Este resultado contribuiu para implantar o clube no coração dos alfacinhas e atrair mais adeptos para o clube e foi devido a este capítulo que se começou a atribuir o nome de Glorioso ao clube. Em 24 de Novembro de 1907, o Sport Lisboa atuou pela 1.ª vez na Feiteira, campo do Sport Clube Benfica, considerado na altura campo neutro. Nesse encontro, a contar para o Regional de Lisboa, o Internacional (CIF) perderia, por 1-0.

O Sport Lisboa, estando a passar por dificuldades financeiras, pois nem campo próprio tinham (nos primeiros tempos foi alugado o campo das Terras do Desembargador) viu, em 1907, 8 dos seus jogadores (sete da 1.ª categoria e um da 2.ª categoria) passarem para o mais abastado Sporting Clube de Portugal. Cosme Damião e Marcolino Bragança foram a alma da resistência, tendo inclusive Marcolino Bragança perdido o ano no Liceu, decidindo ficar e apostar na continuidade do clube. Este episódio originou uma rivalidade que ao longo do tempo foi-se tornando mais forte e que perdura até aos dias de hoje. A equipa de reserva passou a ser a equipa de primeira categoria do Sport Lisboa e o primeiro derby realizou-se no dia 1 de Dezembro de 1907 com uma vitória do Sporting Clube de Portugal por 2-1, com um golo do Corga para o Sport Lisboa e um golo do Cândido Rodrigues, e um auto-golo de Cosme Damião para o Sporting Clube de Portugal.

Sport Clube de Benfica

Em 26 de Julho de 1906, foi fundado um outro clube em Lisboa, denominado Grupo Sport Benfica, com José Duarte como Presidente e que contou desde logo com a adesão de 15 associados, entre eles Luís Carlos de Faria Leal.

Em 26 Maio de 1907 esse mesmo clube tomou oficialmente posse do terreno da Quinta da Feiteira, propriedade de César de Figueiredo, ficando deste modo o Grupo Sport de Benfica a dispor de um espaço para organizar festas e actividades desportivas, tal como para jogos de futebol. Este clube, era no entanto, especialmente virado para a prática de velocipedismo (ciclismo e daí a roda como símbolo), mas também para a prática de pedestrianismo (atletismo).

Alguns dos associados do Sport Lisboa, entre eles Cosme Damião, eram também sócios do Grupo Sport Benfica, e tinham conhecimento da existência do seu campo que, apesar da qualidade, não era utilizado para futebol.

Meses depois, em Março de 1908, o Grupo Sport Benfica muda o nome para Sport Clube de Benfica. João José Pires, Presidente desta instituição, será o primeiro Presidente do Sport Lisboa e Benfica.

Luís Carlos de Faria Leal desfilará em 1954 na inauguração do Estádio da Luz, como sócio nº 01, acompanhado por António Sobral Júnior e Luís Joaquim Gato, sendo que todos faziam parte da estrutura inicial do Sport Clube de Benfica.

Sport Lisboa e Benfica

Finalmente devido às dificuldades atravessadas pelo Sport Lisboa foi decidido unirem-se, em 4 de Setembro de 1908, ao Sport Clube Benfica, sobretudo pelo facto do Sport Clube Benfica possuir um campo (Campo da Feiteira e onde se mantiveram a jogar até 1910/1911).

Em assembleia geral do Sport Clube de Benfica, é decidida a fusão entre o Sport Lisboa e o Sport Clube de Benfica, e em que se manteve como novo Presidente o do Sport Clube de Benfica. Destacaram-se na negociação Cosme Damião e Félix Bermudes, do Sport Lisboa, e Luís Carlos de Faria Leal, António dos Santos Sobral[16], Alexandre Luiz da Silva, António Alberto Marques, e António Freire Sobral, em sessão presidida por João José Pires, todos do Sport Clube de Benfica. O Sport Lisboa cedeu todos os jogadores, cores, símbolo, e o seu escudo, e com o Sport Clube Benfica estabeleceram-se nove normas, sendo que na número 1 ficou determinado que os sócios do Sport Lisboa passariam a fazer parte do Sport Clube de Benfica, e na 2 ficou acordado que "os dois grupos não perderão a sua individualidade, passando a denominar-se Sport Clube de Lisboa e Benfica".

Dá-se a fusão das estruturas do Sport Clube Benfica (associados, dirigentes, sede e instalações desportivas), com o Sport Lisboa, que por sugestão de Félix Bermudes, passa a designar-se de Sport Lisboa e Benfica. Passam a utilizar a sede do primeiro e o campo da Quinta da Feiteira em que poucos anos o Sport Lisboa e Benfica viria a realizar o seu primeiro jogo internacional em 22 de Maio de 1911, e coincidentemente o seu último jogo nessa Quinta. O jogo realizou-se contra o Stade Bordelais Université Club e acabou por ser a equipa francesa a vencer por 4-2.

Félix Bermudes, eleito em 15 de Julho de 1916, como Presidente do Sport Lisboa e Benfica, ultimou a fusão do Desportos de Benfica, a 17 de Setembro 1916, que tinha sido criada algum tempo antes como a primeira sucursal do clube encarnado. Foram elaborados novos estatutos, que só viriam a ser impressos em 1918. Ficou o Clube, até 1981, com uma magnífica sede, em Benfica, com campo para futebol, rinque de patinagem, campos de ténis e carreira de tiro. Após a junção, Nuno Freire Themudo foi eleito presidente.

Discórdia sobre a data e processo de fundação

Os aniversários do clube hoje em dia são alvo de discórdia, bem como o exagerado papel que é atribuído a Cosme Damião, não existindo indícios históricos que tenha sido fundador do Sport Lisboa.Quanto às datas de comemoração, existe informação na imprensa da época dos festejos do seu quarto aniversário em 24 de julho de 1910.

Efetuando a leitura do acordo de 1908 verifica-se que no artigo primeiro ficou determinado que a estrutura e os sócios do Sport Lisboa seriam absorvidos pelo Sport Clube de Benfica e o presidente deste, João José Pires, manteve-se por isso à frente dos destinos do agora Sport Lisboa e Benfica, tendo mesmo que suportar dívidas que vinham do clube de Belém. João Mascarenhas de Mello, sócio desde 1908, foi nomeado Presidente da Assembleia Geral e reconduzido nesse posto por cerca de duas décadas, granjeando alto reconhecimento interno, de tal forma que lhe é dedicada a capa do primeiro número do Boletim do Sport Lisboa e Benfica em março de 1927, realçando dever "figurar na lista dos gloriosos pioneiros que lançaram à terra a boa semente da obra que hoje desabrocha".

Em 28 de Fevereiro de 1904, um grupo de 24 ex-alunos da Real Casa Pia de Lisboa, de onde se destacava a figura de Cosme Damião, cria, nas traseiras da Farmácia Franco, na zona de Belém, o Sport Lisboa com uma única secção, a de futebol. Nessa reunião histórica, ficaria definido que o recém-criado clube jogaria de vermelho e branco e que teria no emblema uma águia e o moto "E Pluribus Unum".

null

O primeiro campo de jogos foi na Quinta da Feiteira, mas os tempos eram difíceis. Devido a problemas financeiros, vários jogadores da primeira equipa abandonam o Benfica para o mais abastado Sporting, o que deu início a uma rivalidade que perdura até os dias de hoje e contribuiu para que em 1908, se desse a fusão do Sport Lisboa com o Grupo Sport Benfica, clube que tinha como prática o ciclismo, levando à origem do atual emblema (com a introdução da roda de bicicleta) e ao nome definitivo: Sport Lisboa e Benfica.

Contudo, as dificuldades mantêm-se. Nestes primeiros tempos, o Benfica salta de campo em campo: Em 1913 muda-se para Sete Rios, mas, devido à elevada renda, quatro anos depois, vê-se obrigado a mudar para o campo de Benfica, onde em 1919 efectua, pela primeira vez em toda a Península Ibérica, jogos nocturnos.

Em 1925, compra uns terrenos nas Amoreiras e fica pela primeira vez proprietário de um estádio, com capacidade para 15 000 espectadores. É neste estádio que o Benfica conquista os primeiros títulos nacionais. Entretanto, já o Benfica tinha criado as secções de hóquei em patins, hóquei em campo, râguebi, basquetebol, andebol, bilhar e voleibol.

A 5 de Março de 1932 foi feito Comendador da Ordem Militar de Cristo.

Os primeiros campeonatos nacionais de futebol arrancam em 1934 e, após perder a primeira edição, o Benfica vence as três seguintes entre 1936 e 1938, já após de vencer dez Campeonatos de Lisboa. Em 1940 o Benfica vence a sua primeira Taça de Portugal.

A 11 de Janeiro de 1936 foi feito Oficial da Ordem de Benemerência.

No início dos anos 40, o Benfica volta a mudar-se, desta vez para Campo Grande. É neste campo que o Benfica luta contra o domínio do Sporting.

No ciclismo, é de destacar a importância de José Maria Nicolau, vencedor de duas edições da Volta a Portugal na década de 1930 e que de camisola encarnada espalhou a admiração pelo clube a todo o país, numa altura em que a televisão não existia e poucos jornais existiam.

Na década de 1940, o Benfica é campeão por três vezes, em 1942, 1943 e 1945, e conquista a Taça de Portugal em quatro ocasiões: 1940, 1943, 1944 e 1948. Nesta década, cria as secções de xadrez e damas, cicloturismo, tiro com arco, pesca desportiva e campismo.

0 comments

Comment

No comments avaliable.

Author

Info

Published in 10/09/2018

Updated in 19/02/2021

All events in the topic História:


Invalid DateInícioInício
Invalid DateA década de 1950
Invalid DateA década de 1960
Invalid DateA década de 1970
Invalid DateA década de 1980
Invalid DateA década de 1990
Invalid DateOs anos de reconstrução
Invalid DateÉpoca 2009–2010
Invalid DateÉpoca 2010–2011
Invalid DateÉpoca 2011–2012
Invalid DateÉpoca 2012–2013
Invalid DateÉpoca 2012–2013
Invalid DateÉpoca 2013–2014
Invalid DateÉpoca 2014-2015
Invalid DateÉpoca 2015-2016