Convento da Madre de Deus da Verderena

01/01/1591View on timeline

O Convento da Madre de Deus foi construído entre 1591 e 1609, tratando-se do 17º Convento da Província de Santa Maria da Arrábida. A sua fundadora foi Dona Francisca de Azambuja, esposa do Cavaleiro da Casa Real, Álvaro Mendes de Vasconcelos, perecido na batalha de Alcácer Quibir, em companhia de D. Sebastião.

Com a sua construção pretendia-se a substituição do Convento de Nª Sª dos Prazeres em Palhais, fundado em 1549 por S. Pedro de Alcântara. Este situava-se num local muito sezonático, junto ao esteiro do Rio Coina, e por isso decidiu o Provincial da Ordem que o mesmo seria demolido e reedificado em local mais aprazível.

Esta pretensão não agradou à população de Palhais, que impediu a destruição do imóvel. Contudo, a decisão de construir um novo Convento para os Franciscanos Arrábidos já havia sido abraçada por Dona Francisca, comprometendo-se a custear todas as despesas da construção. O terreno foi doado por duas senhoras barreirenses, Luísa e Brites de Faria.

A tipologia do Convento da Verderena insere-se no contexto das edificações dos Franciscanos Arrábidos, definida e imposta pela Regra de Santa Maria da Arrábida. No seu programa arquitetónico sobressaem as fórmulas da simplicidade e austeridade, num completo despojamento e a ausência de riqueza, princípio comum a todos os conventos arrabidinos, a que não é exceção o da Madre de Deus.

O Convento primitivo, todo em piso térreo, apresentava a Igreja Conventual, a Sacristia, a Sala do Capítulo, Casa de Profundis, Dormitórios, Refeitório, Casa da Livraria e Casa das Barbas.

No início do século XVIII, o imóvel sofreu remodelações profundas, obra de D. João António de La Concha, castelhano, Contratador Geral do Tabaco. Foi construído um piso superior para instalar os Dormitórios e anexa à Galilé, a Capela do Senhor dos Passos.

A extinção das Ordens Religiosas em 1834, determinou o encerramento do Convento e a sua venda em hasta pública, tendo sido adquirido por D. Henriqueta Gomes de Araújo, que o transformou na sua casa de fresco, passando a designar-se desde então Quinta do Convento.

Veio à posse da autarquia em 1969 já em estado de ruína, tendo sido totalmente restaurado e reequipado abrindo ao público em 1997. Dispõe atualmente de múltiplas valências culturais.

Foi classificado como Monumento de Interesse Municipal em 30/04/1999

Localiza-se na Rua do Convento – Alto do Seixalinho

0 comments

Comment

No comments avaliable.

Author

Info

Published in 17/02/2020

Updated in 19/02/2021

All events in the topic Descobrimentos no Barreiro:


Invalid DateForno de cerâmica da Mata da MachadaForno de cerâmica da Mata da Machada
Invalid DateConvento da Madre de Deus da VerderenaConvento da Madre de Deus da Verderena
Invalid DateMuseu do FuzileiroMuseu do Fuzileiro
Invalid DateEstaleiro Naval da TelhaEstaleiro Naval da Telha